[1]
I. Zubek, “Silêncio atômico: política, violência, exceção após Hiroshima e Nagasaki”, Rev. Carta Inter., vol. 10, nº 1, p. 65-82, abr. 2015.