A reprimarização das exportações brasileiras em perspectiva histórica de longa duração

  • Victor Tarifa Lopes Universidade Federal da Grande Dourados

Resumo

As exportações brasileiras vêm passando por um processo denominado “reprimarização”, no qual as exportações de produtos primários passaram a superar as de produtos manufaturados. As principaisanálises apontam para causas de curta duração, sejam elas endógenas, como políticas cambiais, ou externas ao Brasil, como o efeito chinês no “boom” das commodities. Procurando contribuir para o debate sobre esse fenômeno, o presente artigo busca identificar o comportamento das exportações brasileiras na longa duração, resgatando dados estatísticos do comércio internacional de 1808 até 2019, tendo como cenário a histórica inserção periférica do Brasil na Divisão Internacional do Trabalho desde o período colonial, condicionando a economia-política brasileira para a especialização em produtos primários de menor valor agregado. Com isso, constatou-se que a especialização em produtos primários nas exportações do Brasil tem sido a regra desde 1808, sendo a exceção o período de 1979 a 2009, quando o país exportou percentualmente mais produtos manufaturados, retornando para o padrão primário-exportador e permanecendo assim até a atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Tarifa Lopes, Universidade Federal da Grande Dourados
Professor substituto de Política Internacional Contemporãnea na Universidade Federal da Grande Dourados.
Publicado
08-11-2020
Como Citar
Tarifa Lopes, V. (2020). A reprimarização das exportações brasileiras em perspectiva histórica de longa duração. Carta Internacional, 15(3). https://doi.org/10.21530/ci.v15n3.2020.1029