Memórias de Guerra: A narrativa da destruição como construtora da identidade europeia

  • Luiz Fernando Horta Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB)
Palavras-chave: Europa, Identidade Nacional, Guerra Fria, Poder, Memória

Resumo

A Europa precisou ser reconstruída após a Segunda Guerra. Entretanto, esta reconstrução não foi física, mas sim identitária. Novos dados sobre a destruição europeia não chancelam a ideia de hecatombe que é oferecida para explicação do imediato pós-guerra. Assim, fica prejudicada a interpretação de que a Europa necessitava de ajuda externa para se reconstruir. Se a destruição material e produtiva da Europa é uma construção discursiva, a quê ou a quem este construto efetivamente serviu? Este texto afirma que o discurso da “destruição/reconstrução” da Europa serviu para a construção da identidade da Europa Ocidental “de costas” à Oriental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Fernando Horta, Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB)
Formado em História pela UFRGS, Mestrado em História das Relações Internacionais pelo IREL/UNB, doutorando em História das Relações Internacionais IREL/UNB
Publicado
15-04-2015
Como Citar
Horta, L. F. (2015). Memórias de Guerra: A narrativa da destruição como construtora da identidade europeia. Carta Internacional, 10(1), 160-176. https://doi.org/10.21530/ci.v10n1.2015.205
Seção
Artigos