As políticas industrial e infraestrutural durante o Governo Lula: implicações e desafios da adoção do modelo do Estado Logístico para o Brasil

  • Fernando Dall'Onder Sebben Senado Federal
  • Pedro Perfeito da Silva UFRGS
Palavras-chave: Desenvolvimento, Integração Sul-Americana, Política Industrial, Política de Infraestrutura.

Resumo

O artigo concentra-se na análise da política industrial brasileira durante o governo Lula (2003-2010) e dos projetos associados à Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA). Em ambas, observa-se um modelo de desenvolvimento, próximo ao que denominamos Estado Logístico - tipo ideal, diferente do conceito de Amado Cervo, que surge da confluência de um alto nível de autonomia inserida com políticas de corte horizontal, as quais buscam reforçar as vantagens comparativas do sistema produtivo nacional e regional. Assim, há uma mútua influência entre as políticas, pois o sucesso da IIRSA promove a integração do mercado sul-americano com o do Pacífico, ampliando a pressão sobre a indústria brasileira, enquanto a política industrial reforça uma estrutura produtiva baseada no setor primário e na indústria tradicional, o que dificulta a integração regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Dall'Onder Sebben, Senado Federal
Doutor em Estudos Estratégicos Internacionais pela UFRGS e analista legislativo no Senado Federal.
Pedro Perfeito da Silva, UFRGS
Mestrando em Economia do Desenvolvimento no PPGE-UFRGS

Referências

ACEMOGLU, D.; ROBINSON, J. 2012. Why nations fail: the origins of power, prosperity and poverty. Nova Iorque: Crown Publishers.

ALMEIDA, M. 2009. Os desafios da real política industrial brasileira do século XXI. Texto para Discussão IPEA, n. 1452. Brasília: IPEA.

ARESTIS, P.; SAWYER, M. C. 2008. A Critical Reconsideration of the Foundations of Monetary Policy in the New Consensus Macroeconomics Framework. Cambridge Journal of Economics, 32(5), 761-779.

BANCO MUNDIAL. 1994. World Development Report 1994: Infrastructure for Development. Executive Summary. Washington, DC: The World Bank.

BRASIL. 2003a. Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. Brasília: MDIC.

BRASIL. 2003b. Plano plurianual 2004-2007: mensagem presidencial. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. - Brasília: MP.

BRASIL. 2007. Plano plurianual 2008-2011: projeto de lei/Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. - Brasília: MP.

BRASIL. 2008. Política de Desenvolvimento Produtivo: inovar e investir para sustentar o crescimento. Brasília: MDIC.

BRASIL. 2011a. Política de Desenvolvimento Produtivo: balanço de atividades 2008/2010. Volume 2: Programas para Consolidar e Expandir a Liderança. Brasília: MDIC.

BRASIL. 2011b. Política de Desenvolvimento Produtivo: balanço de atividades 2008/2010 – Volume 3: Relatório dos Programas para Fortalecer a Competitividade. Brasília: MDIC.

BRASIL. 2011c. Política de Desenvolvimento Produtivo: balanço de atividades 2008/2010 - Volume 4: Programas Mobilizadores em Áreas Estratégicas. Brasília: MDIC.

BRASIL. 2011d. Política de Desenvolvimento Produtivo: balanço de atividades 2008/2010 - Volume 5: Destaques Estratégicos. Brasília: MDIC.

CAMPANÁRIO, M. A.; SILVA, M. M.; COSTA; T. R. 2005. Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE): análise de fundamentos e arranjos institucionais. In: XI Seminário Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnologica. Salvador.

CANO, W.; SILVA, A. L. 2010. Política industrial do governo Lula. Texto para Discussão IE/UNICAMP, n. 181.

CASTILHOS, C. C. 2005. Contradições e limites da política industrial do Governo Lula. Indicadores Econômicos (FEE), v. 33, n. 1, p. 54-74.

CASTRO, A. B. 2001. A reestruturação industrial brasileira nos anos 90: uma interpretação. Revista de Economia Política, v. 21, n. 3 (83), p. 3-26.

CERVO, Amado Luiz. 2008. Inserção Internacional: Formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Saraiva.

CERVO, Amado Luiz. 2008b. Conceitos em Relações Internacionais. Revista Brasileira de Política Internacional, 51(2), p. 8-25.

CHANG, Ha-Joon. 2000. An Institutionalist Perspective on the Role of the State: towards an Institutionalist Political Economy. In: BURLAMAQUI, L.; CASTRO, A.; CHANG, H. J. (eds.). Institutions and the Role of the State. Cheltenham: Edward Elgar.

CHANG, Ha-Joon. 2002. Kicking away the ladder: development strategy in historical perspective. Londres: Anthem Press.

CHANG, Ha-Joon. 2008. The East Asian development experience: the miracle, the crisis and the future. Penang: TWN; New York: Zed Books.

COUTINHO, L.; FERRAZ, J.C.; NASSIF, A.; OLIVA, R. 2012. Industrial Policy and Economic Transformation. In: Javier Santiso and Jeff Dayton-Johnson (Eds). The Oxford Handbook of Latin American Political Economy. Oxford: Oxford University Press.

COUTO, Leandro Freitas. 2012. Desenvolvimento, integração e assimetrias: caminhos e descaminhos da aproximação regional na América do Sul. Tese (Doutorado em Relações Internacionais). Brasília: UnB.

CUNHA, A.; PERFEITO, P.; PERGHER, N. 2014. Estado e Política de Desenvolvimento no Brasil (2003-2014). In: HENKIN, H. (org.) Política Industrial e Internacionalização. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV.

DECLARAÇÃO CONJUNTA. 1967. Reunião de Presidentes de Punta del Este, 12 a 14 de abril de 1967. Disponível em http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2012/02/marcha-da-integracao-na-america-latina.html. Acesso em 10 out. 2013.

EVANS, Peter. 1993. O Estado como problema e solução. Lua Nova [online], n.28-29, pp. 107-157.

EVANS, Peter. 2004. Autonomia e parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: Editora UFRJ:.

FARO, L.; POUSA, C.; FERNANDEZ, C. 2005. Conversas com Eliezer. Ed. Insight: Curitiba.

FONSECA, P. C. D. 2014. Desenvolvimentismo: a Construção do Conceito. http://www.centrocelsofurtado.org.br/arquivos/image/201309121650480.Conceito%20Desenvolvimentismo%20-%20Pedro%20Fonseca.pdf. Acesso em 20 nov. 2014.

FREEMAN, Chris; SOETE, Luc. 1997. The economics of industrial innovation. Cambridge (MA): MIT Press.

GUERRIERO, Ian. 2012. A recente política industrial brasileira: Política de Desenvolvimento Produtivo e Plano Brasil Maior. In: Anais do XVII Encontro Nacional de Economia Política. Rio de Janeiro, Sociedade Brasileira de Economia Política. Disponível em:

http://www.sep.org.br/artigos/download?id=2043&title=A%20recente%20pol%C3%ADtica%20industrial%20brasileira:%20Pol%C3%ADtica%20de%20Desenvolvimento%20Produtivo%20e%20Plano%20Brasil%20Maior. Acesso em: 20 jul. 2012.

HIRSCHMAN, Albert O. 1961. Estratégia do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

IIRSA. 2009. Análise do Potencial de Integração Produtiva e Desenvolvimento de Serviços Logísticos de Valor Agregado de Projetos da IIRSA (IPrLg): Aplicação ao Grupo 3 de Projetos dos Eixos de Integração e Desenvolvimento de Capricórnio. http://www.iirsa.org/admin_iirsa_web/Uploads/Documents/iprlg_g3_cap_informe_final_port.pdf. Acesso em 01 mar. 2011

IIRSA. 2010. Análisis del Potencial de Integración Productiva y Desarrollo de Servicios Logísticos de Valor Agregado de Proyectos IIRSA (IPrLg): Aplicación al Grupo 5 de Proyectos del Eje de Integración y Desarrollo Andino.

http://www.iirsa.org/admin_iirsa_web/Uploads/Documents/iprlg_gp5_andino_informe_final.pdf. Acesso em 01 mar. 2011.

LAPLANE, M., SARTI, F. 2006. Prometeu Acorrentado: o Brasil na indústria mundial no início do século XXI. Política Econômica em Foco, n. 7.

LIN, J.; CHANG, H. 2009. Should Industrial Policy in Developing Countries Conform to Comparative Advantages or Defy It? A Debate Between Justin Lin and Ha Joon Chang. Development Policy Review, v. 27, n. 5, p. 483-502.

O'DONNELL, G. 1993. On the State, democratization and some conceptual problems: A Latin American view with glances at some postcommunist countries. World Development, 21(8), p. 1355-1369.

PADULA, R. 2014. Da IIRSA ao COSIPLAN da UNASUL: a Integração de Infraestrutura na América do Sul nos anos 2000 e suas Perspectivas de Mudança. In: DESIDERÁ NETO, W. A. (Org.). O Brasil e novas dimensões da integração regional. Rio de Janeiro: IPEA.

PERES, W.; PRIMI, A. 2009. Teory and Practice of Industrial Policy. Evidence from the Latin American Experience. Serie Desarrollo Productivo, n. 137.

PEREZ, Carlota. 2002. Technological Revolution and Financial Capital: The Dynamics of Bubbles and Golden Ages. Cheltenham: Edward Elgar Publishing Limited.

QUINTANAR, Silvia; LÓPEZ, Rodolfo. 2003. O Plano de Ação para a Integração da Infra-estrutura Regional Sul- americana (IIRSA): oportunidades e riscos. Seu significado para o Brasil e a Argentina. Revista Brasileira de Política Internacional [online], v. 46, n.1, p. 213-221.

RODRIK, D. 2004. Industrial Policy for the Twenty-First Century. CEPR Discussion Papers, n. 4767.

RODRIK, D. 2008. Industrial Policy: Don’t Ask Why, Ask How. Middle East Development Journal, v. 1, n. 1, p. 1-29.

SUZIGAN, W., FURTADO, J. 2006. Política Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 26, n. 2 (102), p. 163-185.

Publicado
30-04-2016
Como Citar
Sebben, F. D., & Silva, P. P. da. (2016). As políticas industrial e infraestrutural durante o Governo Lula: implicações e desafios da adoção do modelo do Estado Logístico para o Brasil. Carta Internacional, 11(1), 63-90. https://doi.org/10.21530/ci.v11n1.2016.232
Seção
Artigos