Em busca da credibilidade perdida: a turnê global de Collor como presidente-eleito

  • Guilherme Casarões Fundação Getulio Vargas/ESPM
Palavras-chave: Collor, Diplomacia Presidencial, Autonomia pela modernização, Política Externa, Itamaraty

Resumo

Este trabalho tem como objetivo avaliar a viagem realizada por Fernando Collor de Mello a doze países (Argentina, Paraguai, Uruguai, Estados Unidos, Japão, União Soviética, Alemanha, Itália, França, Inglaterra, Portugal, Espanha) no curto período entre a eleição e a posse. Parte-se da hipótese de que o presidente-eleito foi motivado pela necessidade de recuperar a credibilidade internacional do Brasil, que havia sido comprometida ao longo do governo Sarney em função de três grandes problemas: protecionismo comercial, dívida externa e ecologia. Para resgatá-la, Collor valeu-se de três estratégias: (1) aproximou-se do Itamaraty no processo, com vistas a dirimir as costumeiras críticas quanto ao “amadorismo” do presidente, carente de bases político-partidárias; (2) reafirmou seu papel como principal fiador internacional do Brasil, descolando-se da imagem deixada pelo governo Sarney; (3) enfatizou os três temas que eram mais sensíveis à imagem do país no mundo. No contexto de sua viagem, Collor lançou as bases da autonomia pela modernização, que foi a estratégia de inserção internacional adotada ao longo de seu governo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque, José L. C. “Campesinos paraguayos y ‘brasiguayos’ em la frontera este del Paraguay”. In: Fogel, Ramon e Riquelme, Marcial. Enclave sojero, merma de soberania y pobreza. Assunção: CERI, 2005.

Almeida, Paulo Roberto de. Nunca Antes na Diplomacia: a política externa brasileira em tempos não convencionais”. Curitiba: Appris, 2014.

Barros, Alexandre de S. C. “A formulação e implementação da Política Externa Brasileira: o Itamaraty e os novos atores”. In: MUÑOZ, Heraldo e TULCHIN, Joseph (eds.). América Latina e a Política Mundial. São Paulo: Convívio, 1986.

Barros, Sebastião do Rego. Sebastião do Rego Barros II. (depoimento, 2009). Rio de Janeiro: CPDOC, 2011.

Belém Lopes, Dawisson. Política externa na Nova República: os primeiros 30 anos. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2015 (prelo).

Beting, Joelmir. “O choque do engodo”, Folha de São Paulo, 23 de janeiro de 1990.

Campos, Roberto. “Moscou revisitada”. O Estado de São Paulo, 30 de janeiro de 1990

Casarões, Guilherme. “O Papel do Itamaraty na definição da política externa do governo Collor de Mello”. Revista Brasileira de Política Internacional, vol. 55, no. 1, 2012.

_____________. “O tempo é o senhor da razão? A política externa de Collor de Mello, vinte anos depois”. Tese (doutorado). Universidade de São Paulo, 2014.

Cason, Jeffrey e Power, Timothy. “Presidentialization, pluralization, and the rollback of Itamaraty: explaining change in Brazilian Foreign Policy making in the Cardoso-Lula Era”. International Political Science Review, vol. 30, no. 2, 2009.

Cheibub, Zairo. “Diplomacia e Construção Institucional: o Itamaraty em perspectiva histórica”. Dados, vol. 28, no. 1, 1985.

Collor de Mello, Fernando. “Discurso em encontro promovido por David Rockefeller”. Nova York, 25 de janeiro de 1990.

Collor de Mello, Fernando. Entrevista ao autor. Brasília, 13 de junho de 2011.

Corrêa do Lago, André Aranha. Estocolmo, Rio, Joanesburgo: o Brasil e as três conferências ambientais das Nações Unidas. Brasília: FUNAG, 2006.

Danese, Sérgio. Diplomacia Presidencial. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

Dimenstein, Gilberto. “A aposta de Sarney”, Folha de São Paulo, 06 de janeiro de 1990: A-2.

Faria, Carlos Aurélio Pimenta de. “Opinião pública e política externa: insulamento, politização e reforma na produção da política exterior do Brasil”. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 51, n. 2, p. 80-97, 2008.

Freitas, Jânio de. “Ainda é uma esfinge”, Folha de São Paulo, 17 de janeiro de 1990: A-5.

Lafer, Celso. Identidade Internacional do Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2001.

_____________. “O legado diplomático da viagem presidencial de Tancredo Neves”. Contexto Internacional, vol. 2, no. 1, 1985.

Lima, Maria Regina Soares de. “Ejes Analíticos y Conflicto de Paradigmas en la Política Exterior Brasileña”. America Latina/Internacional, vol. 1, no. 2, 1994.

Lima, Maria Regina Soares de. “Instituições democráticas e política exterior”. Contexto Internacional, v. 22, n. 2, 2000.

_____________ e Duarte, Rubens. “Diplomacia presidencial e politização da política externa”. Observador On-Line, vol. 8, no. 9, 2013.

Lins da Silva, Carlos Eduardo. “Dilma se afasta do Itamaraty, e Brasil perde espaço no mundo”. Interesse Nacional, ano 7, no. 26, 2014.

Lohbauer, Christian. Brasil-Alemanha: fases de uma parceria 1964-1999. São Paulo: KAS/EDUSP, 2000.

Lopes, Dawisson. “Recuo estratégico ou normalização da curva?”. Folha de S. Paulo, 17 de março de 2014.

Malamud, Andrés. “Presidential Diplomacy and the Institutional Underpinnings of MERCOSUR: An Empirical Examination”. Latin American Research Review, vol. 40, no. 1, 2005.

Merquior, José Guilherme. O Argumento Liberal. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

_____________. “Brazil’s New Republic: the Social-Liberal Path”. Bulletin of Latin American Research, vol. 6, no. 2, 1987.

_____________. O Liberalismo – Antigo e Moderno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

Milani, Carlos. “Política Externa é Política Pública?”. Insight/Inteligência, ano XVIII, no. 69, 2015.

Pereira, Analúcia Danilewicz. A Política Externa do Governo Sarney. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

Pinheiro, Letícia e Milani, Carlos. “Política Externa Brasileira: os desafios de sua caracterização como política pública”. Contexto Internacional, vol. 35, no. 1, 2013.

Preto, Alessandra Falcão. “O conceito de diplomacia presidencial: o papel da Presidência da República na formulação de política externa”. Dissertação (mestrado). Universidade de São Paulo, 2006.

Ricupero, Rubens. Visões do Brasil. Rio de Janeiro: Record, 1995.

_____________. Diário de Bordo: a viagem presidencial de Tancredo. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010a.

_____________. “À sombra de Charles de Gaulle: uma diplomacia carismática e intransferível”. Novos Estudos CEBRAP, vol. 87, 2010b.

_____________. Entrevista ao autor. São Paulo, 30 de outubro de 2014.

Rodrigues, Newton. “Um quisto a extirpar”. Folha de São Paulo, 23 de janeiro de 1990.

Rosa e Silva, Cláudio Humberto. Mil Dias de Solidão: Collor bateu e levou. São Paulo: Geração Editorial, 1993.

Rossi, Clóvis. “Menem, o tênis e Collor”, Folha de São Paulo, 17 de janeiro de 1990.

Sallum Jr., Brasilio. “Governo Collor: o reformismo liberal e a nova orientação da política externa brasileira”. Dados, vol.54, no.2, 2011.

Schwartz, Gilson. “O Brasil que sabe dizer sim: caminhos em direção ao Japão”. São Paulo em Perspectiva, vol. 4, no. 3, 1991: 24

Spektor, Matias. 18 Dias. Rio de Janeiro: Record, 2014.

Spinola, Noenio. “Rússia para Collor ver”. O Estado de São Paulo, 30 de janeiro de 1990.

The White House, “Statement by Press Secretary Fitzwater on President Bush's Meeting With President-Elect Fernando Collor de Mello of Brazil”, 26 January 1990. Disponível em http://bushlibrary.tamu.edu/research/public_papers.php?id=1477&year=1990&month=01

Uehara, Alexandre Ratsuo. “Relações Brasil-Japão: aproximações e distanciamentos”. Carta Asiática, 1999.

Vigevani, Tullo e Cepaluni, Gabriel. A Política Externa Brasileira: a busca de autonomia, de Sarney a Lula. São Paulo: UNESP, 2011.

Wald, Arnoldo. “O Plano Bush”. O Globo, 3 de fevereiro de 1990.

Fontes jornalísticas:

FSP: Folha de S. Paulo (várias edições)

JB: Jornal do Brasil (várias edições)

OESP: O Estado de S. Paulo (várias edições)

O Globo (várias edições)

NYT: The New York Times (várias edições)

Veja (várias edições)

Publicado
15-08-2015
Como Citar
Casarões, G. (2015). Em busca da credibilidade perdida: a turnê global de Collor como presidente-eleito. Carta Internacional, 10(2), 97-119. https://doi.org/10.21530/ci.v10n2.2015.240
Seção
Artigos