San Tiago Dantas e sua política externa como instrumento da reforma social e da democracia

  • Renato Petrocchi Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense INEST/UFF
Palavras-chave: San Tiago Dantas, Política Externa, Reformas Sociais e Democracia

Resumo

Por ocasião do comando da Política Externa Independente, o chanceler San Tiago Dantas utilizou a expressão “coexistência competitiva” em diferentes discursos, pronunciamentos e debates para fundamentar duas posições adotadas pelo Brasil em suas relações internacionais: a do restabelecimento das relações diplomáticas com a União Soviética e a do voto contrário ao isolamento de Cuba no hemisfério e à perspectiva de sua expulsão da Organização dos Estados Americanos (OEA). Esta referencia de S. T. Dantas inspirava-se, claramente, na política de “coexistência pacífica”, formulada por Chruschev no XX Congresso do PCUS de 1956 a qual, sublinhava a importância da distensão internacional e, reconhecia que o confronto entre os dois blocos (o socialista e o capitalista) não deveria constituir uma fatalidade histórica inevitável para os dois competidores. A proposta soviética da “coexistência” era a de considerar possível uma pacífica competição entre os dois sistemas na crença de que o socialismo demostrasse a todos os povos a sua superioridade e, deste modo, viesse a impor-se, principalmente, nos países industriais avançados pela via democrática e parlamentar. Para S. T. Dantas, o sentido da “coexistência competitiva” era o do desafio de colocar os dois mundos diferentes da Guerra Fria não apenas em contato, mas também em competição de modo a expor cada um deles à “influencia inevitável dos modelos, das realizações e das experiências processadas no outro”. Nesta apropriação específica do chanceler petebista e não diplomata, a política de coexistência competitiva deveria exercer na política interna brasileira um “permanente incentivo à reforma social, com a criação no seio da sociedade de pressões crescentes, que poderiam ser captadas para a modificação progressiva de sua estrutura, sem quebra da continuidade do regime democrático”. Assim, S. T. Dantas nos ofereceu, desde o início da década de 1960, dois exemplos virtuosos: a possibilidade de conceber e implementar um projeto coerente e articulado para a política interna e internacional do Brasil e, uma referencia positiva de politização da política externa brasileira com sua firme convicção de que a democracia associada às reformas sociais é, de todas as formas de governo, a que melhor resiste à confrontação e, portanto, a que melhor se impõe através da coexistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Petrocchi, Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense INEST/UFF
Renato Petrocchi graduou-se em História-licenciatura na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio, 1985). Realizou o mestrado em Relações Internacionais no Instituto de Relações Internacionais IRI-PUC-Rio (finalizado em 1995) e concluiu o doutorado em História na Universidade Federal Fluminense (PPGH-UFF, 2005). Atualmente, é professor adjunto de Política Externa e Relações Internacionais no Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (INEST/UFF), atuando nas atividades de ensino e pesquisa, tanto na graduação de Relações Internacionais (DEI/UFF), quanto na Pós-Graduação de Estudos Estratégicos (PPGEST/UFF). Entre 1998 e 2012, foi professor de História Contemporânea do Departamento de História da PUC-Rio, ministrando disciplinas como: História Contemporânea III e IV, História Econômica Geral I e II, Seminários Especiais (Debate Historiográfico sobre o Século XX, História da América Latina), Sistema Internacional do Século XX, entre outras, além de pesquisador integrante de vários projetos. Um estudo que expressa o perfil de parte destas atividades é o artigo "O Irredutível Século XX: uma pesquisa de chaves de leitura", publicado na Revista Contexto Internacional, n.1 (2000), onde se interpela o controverso debate teórico-interpretativo sobre as diferentes leituras do Novecentos, entendido como época histórica dotada de características específicas e originais. Em 2008, ingressou por concurso público na Escola de Guerra Naval (EGN-Marinha do Brasil), no cargo de professor adjunto de Relações Internacionais, atuando até 2012 como docente e pesquisador nos diferentes cursos e projetos desta instituição de ensino superior específica: desde os cursos de Política e Estratégia Marítimas, oferecidos para oficiais de carreira, com patente de Mar e Guerra, que concorrem ao almirantado, aos projetos promovidos pelos editais da CAPES e do Ministério da Defesa, como o Pró-Defesa, destinados a apoiar a integração entre as atividades acadêmicas de pesquisa nas universidades e o ensino superior militar. Entre estas atividades, destaca-se a participação no projeto de pesquisa “Brasil em missões de paz: inserção internacional, equipes integradas e ação no Haiti”, fruto da parceria entre a Universidade de Brasília (UNB), com o seu Instituto de Relações Internacionais (IREL), o IRI/PUC-Rio e a EGN com o Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais (CGCFN). Dois exemplos representativos de parte deste trabalho mais extenso foram: a coordenação do volume especial e temático da Revista da Escola de Guerra Naval (n.15, de junho de 2010), dedicado ao debate sobre a expansão da participação brasileira nas Operações de Manutenção de Paz da ONU; e o artigo “Considerações Sobre o Problema da Ingerência Legítima”, escrito para a referida publicação. Em 2010, se tornou professor de Relações Internacionais, credenciado e colaborador, do PPGEST/UFF, com o projeto de pesquisa “Norberto Bobbio e o Labirinto da Politica Internacional”, cujos resultados parciais foram publicados no livro A Defesa e a Segurança na América do Sul (2011). Vinculado ao mesmo Programa de Pós-Graduação, vem ministrando disciplinas como "Defesa e Segurança: Brasil" e "Teoria e Análise de Relações Internacionais II", ambas com o foco no modo como a política externa brasileira lidou, historicamente, com os temas de segurança e defesa. No ano de 2013, ingressou por concurso público e, em regime de dedicação exclusiva, no INEST/UFF, no cargo de professor adjunto de Relações Internacionais com o projeto “Os Nexos Conceituais da Política Exterior do Brasil a partir de San Tiago Dantas”, em continuidade com a pesquisa de 2010 e, com o tema da dissertação de mestrado, orientada pelo saudoso professor Gerson Moura, aplicando a perspectiva teórica internacionalista de N. Bobbio, relativa aos vínculos entre conceitos políticos - internos e internacionais - a um acervo documental específico relativo à política externa brasileira.

Referências

AMORIM, Celso. “Política Externa Independente de San Tiago Dantas” (Conferência); in: Atualidade de San Tiago Dantas, MOREIRA, Marcílio Marques, NISKIER, Arnaldo e REIS, Adacir; Coordenação, São Paulo, Lettera, 2007, pp. 48 – 55.

ARCHER, Renato. Depoimentos, Rio de Janeiro, CPDOC/FGV – História Oral, 1979.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

CUNHA, Vasco Leitão da. “Diplomacia em alto-mar.” Depoimentos, Rio de Janeiro, CPDOC/FGV, 1994.

CRUZ, José Humberto de Brito. “Aspectos da Evolução da Diplomacia Brasileira no Período da Política Externa Independente (1961-1964)”, in: Cadernos do IPRI n. 2, Brasília, Fundação Alexandre de Gusmão, 1989.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. “Reformas de Base”, Pronunciamento no plenário da Câmara dos Deputados em nome do PTB. Sessão de 30 de março de 1959. in: San Tiago Dantas. Perfis Parlamentares, n. 21, Brasília, Câmara dos Deputados, 1983.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. Política Externa Independente. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. Prefácio à reunião de Programas, Discursos, Declarações, Pronunciamentos, entre outros, in: Política Externa Independente, RJ, Editora Civilização Brasileira, 1962.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. “Exposição feita em cadeia nacional de radio e televisão em 5 de fevereiro de 1962”, in Política Externa Independente. RJ, Editora Civilização Brasileira, 1962.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. Discursos Parlamentares. (sel. e intr. Marcilio Marques Moreira) Brasília, Câmara dos Deputados, 1983.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago, “A Evolução da Política Brasileira”, in: Digesto Econômico, 174, nov./dez., 1963.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. Ideias e rumos para a revolução brasileira. Rio de Janeiro, José Olympio 1963.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. Discurso pronunciado por San Tiago Dantas em 22 de junho de 1962. Arquivo Nacional, AP 47 (48), pacotilha 2, p. 6.

DANTAS, Francisco Clementino San Tiago. San Tiago Dantas Coletânea de textos sobre política externa. Organizado por Renato Lessa e Cristina Buarque de Holanda, Brasília, Fundação Alexandre de Gusmão, 2009.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. Revista Brasileira de Política Internacional, set/dez, 1964.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago. “Política Exterior e Desenvolvimento”. Discurso de Paraninfo Pronunciado em 10 de Dezembro de 1963 no Palácio do Itamaraty”. In: Revista Brasileira de Política Internacional, vol. VII, setembro/novembro de 1964.

DANTAS, Francisco Clementino de San Tiago, “Primeira Entrevista do Ministro San Tiago Dantas” in: Documentos da Política Externa Independente, vol. 1, Alvaro da Costa Franco (Org.), Rio de Janeiro: Centro de História e Documentação Diplomática; Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2007.

FIGUEIREDO, Argelina Cheibub. Democracia ou Reformas? Alternativas democráticas à crise política, 1961-1964. São Paulo, Ed. Paz e Terra, 1993.

FONSECA JR, Gelson. “Os colóquios da Casa das Pedras: argumentos da diplomacia de San Tiago Dantas”, in: Cadernos do CHDD (Centro de História e Documentação Diplomática), Brasília, Ano III – Número 4, Fundação Alexandre de Gusmão, 2004.

FONSECA JR, Gelson. “Mundos diversos, argumentos afins: aspectos doutrinários da politica externa independente e do pragmatismo responsável”, in: A Legitimidade e Outras Questões Internacionais: poder e ética entre as nações. São Paulo, Ed. Paz e Terra, 1998.

FRANCHINI NETO, Hélio. “A Politica Externa Independente em ação: a Conferência de Punta del Este de 1962”, in: Revista Brasileira de Politica Internacional, vol. 48, n. 2, jul. – dez., 2005.

FRANCO, Alvaro da Costa (Org.). Documentos da Política Externa Independente vol. 1. Rio de Janeiro, Centro de História e Documentação Diplomática (CHDD); Brasília, Fundação Alexandre de Gusmão, 2007.

FRANCO, Alvaro da Costa (Org.). Documentos da Política Externa Independente vol. 2. Rio de Janeiro, Centro de História e Documentação Diplomática (CHDD); Brasília, Fundação Alexandre de Gusmão, 2008.

GOMES, Ângela de Castro. “Trabalhismo e democracia: o PTB sem Vargas”, in: Vargas e a Crise dos Anos 50, Rio de Janeiro, Relume-Dumará, 1994.

JAGUARIBE, Hélio. O Nacionalismo na Atualidade Brasileira. Rio de Janeiro, ISEB, 1958.

JAGUARIBE, Hélio. “San Tiago Dantas e o Projeto Nacional”, in, AA. VV. San Tiago Dantas – Vinte Anos Depois. Rio de Janeiro, Paz e Terra/IEPES, 1985.

LIMA, Maria Regina Soares de. “Política Externa Independente de San Tiago Dantas” (Conferência); in: Atualidade de San Tiago Dantas, MOREIRA, Marcílio Marques, NISKIER, Arnaldo e REIS, Adacir; (Coordenação), São Paulo, Lettera, 2007, pp. 64 -72.

LESSA, Renato e HOLANDA, Cristina Buarque (Org.) San Tiago Dantas: coletânea de textos sobre política externa. Brasilia, Fundação Alexandre de Gusmão, 2009.

MELO FRANCO, Afonso Arinos de. Planalto (memórias). Rio de Janeiro, Ed. José Olympio, 1968.

MELO FRANCO, Afonso Arinos de. A Escalada (memórias), Rio de Janeiro, Ed. José Olympio, 1965.

MELO FRANCO, Afonso Arinos de. A Evolução da Crise Brasileira, Ed. Nacional, 1965.

MOURA, Gerson. “Avanços e recuos: a política exterior de JK”, in: GOMES, Angela Castro; FARO, Clovis de; et al. O Brasil de JK, Rio de Janeiro, Ed. Fundação Getúlio Vargas/CPDOC, 1991.

PETROCCHI, Renato. “Norberto Bobbio e o Labirinto da Política Internacional”, in: A Defesa e a Segurança na América do Sul, ALVES, Vagner Camilo; MOREIRA, William de Souza e ARIAS NETO, José Miguel (Orgs.), Campinas SP, Mercado de Letras, 2011, pp. 277 – 288.

PETROCCHI, Renato. Uma Variação de Conteúdos Políticos na Política Externa Independente, Dissertação de Mestrado, IRI-PUC-Rio, 1995.

REVISTA BRASILEIRA DE POLÍTICA INTERNACIONAL: número especial em homenagem a San Tiago Dantas, reunindo estudos, conferências, discursos, aulas inaugurais, artigos, resenhas e documentos. /José Honório Rodrigues (Org.); Rio de Janeiro, Ano VII, Setembro/Dezembro de 1964.

SILVA, Alexandra de Mello e. A Politica Externa de JK: a Operação Pan-Americana. Rio de Janeiro, FGV/CPDOC, 1992.

STORRS, Keith Larry. Brazil’s Independent Foreign Policy, 1961-1964: Brackground, Tenets, Linkage to Domestic Politics and Aftermath. (PhD Dissertation), Ithaca, Cornell University, 1973.

VIZENTINI, Paulo Fagundes. Relações Exteriores do Brasil (1945-1964): o nacionalismo e a politica externa independente. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

Publicado
15-08-2015
Como Citar
Petrocchi, R. (2015). San Tiago Dantas e sua política externa como instrumento da reforma social e da democracia. Carta Internacional, 10(2), 81-96. https://doi.org/10.21530/ci.v10n2.2015.275
Seção
Artigos