Brasil: ator unipolar na América do Sul?

  • Lucas Pereira Rezende Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Unipolaridade, Neorrealismo, América do Sul, Brasil, Forças Armadas

Resumo

Esse artigo busca fazer um estudo da balança de poder na América do Sul, através de um levantamento quantitativo e qualitativo de 15 indicadores de poder: (1) tamanho da população; (2) tamanho do Produto Interno Bruto; (3) os Correlates of War (COW); (4) os gastos absolutos em defesa; (5) o percentual do PIB gasto em defesa; (6) o número total de efetivos nas Forças Armadas ativas; (7) o total de efetivos nos Exércitos; (8) o total de efetivos nas Marinhas; (9) o total de efetivos nas Forças Aéreas; (10) o total de veículos blindados; (11) o total de peças de artilharia; (12) o total de submarinos; (13) o total de embarcações de guerra; (14) o total de aviões de combate; e (15) o índex Global Fire Power. Partindo dos indicadores comumente utilizados pela literatura para medir poder, como o tamanho do PIB, os COW e os gastos em defesa - indicadores utilizados por Wohlforth (1999 e 2009) para sustentar a unipolaridade estadunidense, o Brasil seria, também, uma unipolaridade da América do Sul. Todavia, quando adicionamos os outros indicadores específicos de mensuração da capacidade militar atual sul-americana, vimos que a tendência brasileira à unipolaridade não se sustenta. Há uma grande defasagem, em termos comparativos, das Forças Armadas brasileiras frente às demais na América do Sul, levando em consideração seu tamanho territorial, populacional e PIB. Isso faz com que, por esses outros indicadores, observássemos uma tendência a uma multipolaridade desequilibrada. Mesmo que tenha programas de reaparelhamento de suas Forças Armadas, o Brasil não é o único a fazê-lo. Isso pode indicar que, tal qual se observou no campo global com os Estados Unidos no pós-Guerra Fria, a unipolaridade brasileira possa ser um fenômeno de curta duração, ainda que a maioria dos indicadores mostre estar, do início do século até 2013, em ascendência. Abstract This article seeks to make a study of the balance of power in South America through a quantitative and qualitative survey of 15 power indicators: (1) size of the population; (2) size of gross domestic product; (3) the Correlates of War (COW); (4) the absolute defense spending; (5) the percentage of GDP spent on defense; (6) the total number of personnel in the active military; (7) the total personnel in Armies; (8) the total personnel in Marine; (9) the total personnel in the Air Force; (10) the total number of armored vehicles; (11) the total number of artillery pieces; (12) total figure of submarines; (13) total figure of war vessels; (14) the total number of combat aircrafts; and (15) the index Global Fire Power. Based on the indicators commonly used in the literature to measure power, as the size of GDP, the COW and defense spending - indicators used by Wohlforth (1999 and 2009) to support the US unipolarity, Brazil was also a unipolar power in South America. However, when we add other specific indicators to measure the current military capability of South American states, we see the Brazilian tendency to unipolarity does not hold. There is a large gap, in comparative terms, between the Brazilian Armed Forces and the other South American actors, taking into account their territorial size, population and GDP. Taking these indicators into account, we could describe the system as an unbalanced multipolarity. Even if there is a re-equipment program of its armed forces, Brazil is not the only one to do so. This may indicate that, as it was observed in the global system with the United States in the post-Cold War, the Brazilian unipolarity may be a short-term phenomenon, although most indicators show that, from the beginning of the century to 2013, Brazilian capabilities were rising.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Pereira Rezende, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutor em Ciência Política (UFRGS), Professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais (UFSC).

Referências

ACÁCIO, Igor Daniel. Política de Defesa em Perspectiva Comparada: A Percepção de Ameaças em Potências Regionais. Mestrado em Ciência Política, IESP/UERJ, 2013.

BIDDLE, Stephen. Military Power. Explaining Victory and Defeat in Modern Battle. Princeton: Princeton University Press, 2004.

CEPIK, Marco. A Política de Cooperação Espacial Chinesa: Contexto Estratégico e Alcance Internacional. Revista de Sociologia e Política, V. 19, nº Suplementar, Nov. 2011, pp: 81-104.

____________ ; MACHADO, Felipe. O Comando do Espaço na Grande Estratégia Chinesa: Implicações para a Ordem Internacional Contemporânea. Carta Internacional, Vol. 6, n. 2, Jul-Dez 2011, pp: 112-31.

____________ ; SCHNEIDER, Luiza. Kenneth Waltz. In: MEDEIROS, Marcelo de Almeida et al (org.). Os Clássicos das Relações Internacionais. São Paulo: Editora HUCITEC, pp: 84-109.

ETCHEGOYEN, Sérgio Westphalen. O Conselho de Defesa Sul-Americano. In: ACIOLY, Luciana; MORAES, Rodrigo Fracalossi de (Orgs.). Prospectiva, Estratégia e Cenários Globais. Visões de Atlântico Sul, África Lusófona, América do Sul e Amazônia. Ciclo de Debates. Brasília: IPEA, 2011.

GLOBAL FIRE POWER (GFP). Countries Ranked by Military Strength. Military Factory Network, 2013. Disponível em: http://www.globalfirepower.com/countries-listing.asp. Acesso em 20/09/2013.

LIMA, Maria Regina. Relações Interamericanas, a Nova Agenda Sul-Americana e o Brasil. Lua Nova, N. 90, Vol. 3, 2013.

MEARSHEIMER, John J. The Tragedy of Great Power Politics. New York: W.W. Norton & Company, 2001.

REZENDE, Lucas Pereira. Sobe e Desce! Explicando a Cooperação em Defesa na América do Sul. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2015 (no prelo).

_____________________. Teoria Realista Ofensiva de Cooperação em Defesa na Unipolaridade. Contexto Internacional, v. 36, n. 2, julho/dezembro 2014, pp: 519-48.

RODRIGUEZ, Júlio. Os efeitos de limitadas capacidades materiais na política externa de potências intermediárias no sistema internacional: o Caso do Brasil. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Lisboa: Universidade de Lisboa, 2013.

STOCKHOLM INTERNATIONAL PEACE RESEARCH INSTITUTE (SIPRI). Military Expenditures, SIPRI Military Expenditure Project, 2013. Disponível em: http://portal.sipri.org/publications/pages/expenditures/splash-expenditures. Acesso em: 17 de setembro de 2013.

THE INTERNATIONAL INSTITUTE FOR STRATEGIC STUDIES (IISS). The Military Balance. London: Ed. Brassey's, edições de 1991 e 1994.

___________. The Military Balance. Oxford: Oxford University Press, edições de 1999 e 2000.

___________. The Military Balance. London: The International Institute for Strategic Studies, edições de 2009, 2010, 2011, 2012 e 2013.

WALTZ, Kenneth N. Theory of International Politics. New York: McGraw-Hill, 1979.

WOHLFORTH, William C. The Stability of a Unipolar World. International Security, Vol.24, No.1 (Summer, 1999), pp. 5-41.

______________________. Unipolarity, Status Competition, and Great Power War. World Politics, Vol. 61, No. 1, (January, 2009), pp: 28-57.

Publicado
30-04-2016
Como Citar
Rezende, L. P. (2016). Brasil: ator unipolar na América do Sul?. Carta Internacional, 11(1), 274-295. https://doi.org/10.21530/ci.v11n1.2016.355
Seção
Artigos