Globalização produtiva e desindustrialização

  • Jacqueline A. Haffner Departamento de Economia e Relações Internacionais (DERI). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Jose Mauricío Silvestre Departamento de Economia e Relações Internacionais (DERI). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Globalização, capitalismo, desindustrialização, indústria, crise.

Resumo

Este artigo descreve o fenômeno da desindustrialização, problema que é analisado tendo em conta as recentes transformações do capitalismo. Em geral, o fenômeno da desindustrialização é entendido como um processo de mudança (econômico e social) e estruturais (de longo prazo) caracterizada pela redução da actividade económica e industrial (especialmente de fabricação) em um país ou região. Esta representação do fenómeno através da participação relativa da indústria no produto e no emprego total da economia, não explica os fatores que causam a desindustrialização. Assim, este estudo revela que a desindustrialização pode ser explicada por movimentos de capital industrial, a partir da crise estrutural do capitalismo na década de 1970, o que levou à redefinição das estruturas industriais e a nova divisão internacional do trabalho. Desde os anos 1990, sob a hegemonia do neoliberalismo, o fenômeno progrediu consideravelmente na economia global, com a integração dos países periféricos ao padrão de acumulação dos países avançados

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacqueline A. Haffner, Departamento de Economia e Relações Internacionais (DERI). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Professora da Faculdade de Ciências Econômicas e do Programa de Pós-graduação em Estudos Estratégicos Internacionais (PPGEEI) da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Integrante do Grupo de Pesquisa sobre o BRICS (NEBRICS-UFRGS)
Jose Mauricío Silvestre, Departamento de Economia e Relações Internacionais (DERI). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Doutorando do Programa de Pós-graduação em Estudos Estratégicos Internacionais (PPGEEI) da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Integrante do Grupo de Pesquisa sobre o BRICS (NEBRICS-UFRGS)

Referências

AGLIETTA, M. 2000. Macroeconomia financeira. Quito-Ecuador: Abya-Yala.

AMIN, S. 1976. Unequal development. An essay on the social formations of peripheral capitalism. New York: Monthly Review Press.

ARRIGHI, G. 1998. A ilusão do desenvolvimento. Petrópolis: Vozes.

ARRIGHI, G.; SILVER, B. J.; BREWER, B. D. 2003. Industrial convergence, globalization and the persistence of the north-south divide. Studies in Comparative International Development, vol. 38, nº 1. New York. Disponível em: <http://sites.jmu.edu/benbrewer/files/2011/01/SCID-Article.pdf>. Acesso em: 21/04/2013.

BELLUZZO, L. G. de M. 2009. Os antecedentes da tormenta. Campinas: Unesp.

BONELLI, R.; PESSOA, S.; MATOS, S. 2013. Desindustrialização no Brasil: fatos e interpretação. In: BACHA, E.; DE BOLLE, M. B. (Orgs.) O futuro da indústria no Brasil. Desindustrialização em debate. São Paulo: Civilização Brasileira.

BOSEN, R. Reportagem Críticas a Foxtron. Publicada na Deutsche Welle em 02/10/2013. Disponível em: <http://www.dw.de/den%C3%BAncia-de-abusos-tamb%C3%A9m-na-europa-eleva-cr%C3%ADticas-%C3%A0-foxconn/a-17130765>. Aceso em: 04/10/2013.

BREWER, Anthony. 1990. Marxist theories of imperialism. London: Routledge & Kegan.

BROWN, R.; JULIUS, D. 1994. Is manufacturing still special in world order? In: O’BRIEN, R. (Org.) Finance and the international economy. Oxford: Oxforf University Press.

DUNNING, J. H. 1993. The globalization of business: the challenge of the 1990s. New York: Routledge.

HARVEY, D. 2010. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola.

HELD, D.; MCGREW, A.; GOLDBLATT, D.; PERRATON, G. 1999. Global transformations: politics, economics and culture. Stanford, CA: Stanford University Press.

HIRATUKA, C.; SARTI, F. 2011. Investimento direto e internacionalização de empresas brasileiras no período recente. Texto para discussão, nº 1610. Brasília: IPEA.

MALONE, D. M. Does the elephant dance? Oxford/USA. 2011.

MÈSZARÓS, I. 2009. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo.

OCDE. Economic outlook .1996. Disponível em: <http://www.oecd.org/economy/economicoutlook.htm>. Acesso em 27/12/2014.

OIT. Wages and equitable growth. Global Wage Report 2012-2013. 2013. Geneva: International Labour Office. Disponível em: <http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_194843.pdf>. Acesso em 27/12/2014.

OREIRO, J. L.; FEIJÓ, C. A. 2010. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. In: Revista de Economia Política, vol. 30, nº 2 (118), São Paulo.

OSORIO, M. C. R. 2010. Abertura comercial y crecimiento econômico. México: UMA

PALMA, J. G. 2012.Is Brazil’s recent growth acceleration the world’s most overrated boom? In: The rise of the south and new paths of development in the 21st century. UNCTAD, Background Paper, nº 3, Cambridge University.

PETRAS, J.; VELTMEYER, H. 2007. Multinacionals on trials. Ashgate e-book.

TAVARES, M. da C.; MELIN, L. E. Pós-escrito 1997. 1998. A reafirmação da hegemonia norte-americana. In: TAVARES, M. C.; FIORI, J. L. (Orgs.) Poder e dinheiro. Uma economia política da globalização. Petrópolis: Vozes.

THERBORN, G. 1998. A crise e o futuro do capitalismo. In: SADER, E., GENTILI, P. (Orgs.) Pós-neoliberalismo. As políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

UNCTAD. World investment report, 1995. 1997. Geneva: UNCTAD. Disponível em: <http://www.unctad.org>. Acesso em: 14/05/2013.

Publicado
31-08-2016
Como Citar
Haffner, J. A., & Silvestre, J. M. (2016). Globalização produtiva e desindustrialização. Carta Internacional, 11(2), 74 - 98. https://doi.org/10.21530/ci.v11n2.2016.365
Seção
Artigos