Aspectos conceituais da diplomacia universalista do Brasil: as relações bilaterais e a integração regional (1945-2000)

  • Bruno Ayllón Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI)

Resumo

Junto aos princípios conceituais que guiaram historicamente a política externa do Brasil (juridicismo, pacifismo e realismo-pragmatismo) e junto ao desenvolvimento como vetor e força motora da mesma, existe uma série de estratégias e orientações geográficas desenvolvidas pela diplomacia brasileira com a dupla finalidade de criar um ambiente externo favorável ao desenvolvimento nacional e de garantir a inserção autônoma e independente do País no sistema internacional. São periódicas no discurso diplomático do Itamaraty as referências aos conceitos de “universalismo seletivo”, “parcerias estratégicas”, “opção preferencial pelo bilateralismo” e “estratégias regionalistas”. Estes rótulos sintetizam os movimentos para o exterior – as “órbitas gravitatórias” segundo Lessa – ao redor das quais o país se deslocou no seu afã por construir um sistema de relações internacionais funcional aos objetivos de sua política externa ao serviço do desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
10-11-2006
Como Citar
Ayllón, B. (2006). Aspectos conceituais da diplomacia universalista do Brasil: as relações bilaterais e a integração regional (1945-2000). Carta Internacional, 1(3), 15-25. Recuperado de https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/398
Seção
Artigos