No truque: fluxos migratórios de travestis brasileiras à Espanha sob uma perspectiva transnacional

  • Maria Cecília Patrício Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI)

Resumo

Este artigo se propõe analisar os fluxos migratórios de travestis brasileiras para a Europa, no caso a Espanha, nos parâmetros da transnacionalização, como fenômeno da globalização, e com isso a construção de identidades no processo em que estão inseridas as travestis brasileiras. Neste sentido, procurarei mostrar como elas se comportam ante as barreiras impostas a suas viagens internacionais, em termos da viagem propriamente dita e das regulamentações estabelecidas, bem como em relação a um novo direcionamento de Europa que surgiu nestas últimas três décadas. Me reporto à discussão de Hall quando trata de identificação como parte de um “complexo de processos e forças de mudança” (2001: 67), e a globalização, enquanto condição que as atrai para o novo, para uma nova situação de vida, de espaço e comportamento localizado em uma situação “diaspórica” (2003), numa “migração de trânsito” (CASTRO, 2004: 06) ou, como afirma Sayad (1998) emigração repetida (Sayad, 1998).Palavras-chave: identidade, transnacionalização, migrações internacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
14-03-2009
Como Citar
Patrício, M. C. (2009). No truque: fluxos migratórios de travestis brasileiras à Espanha sob uma perspectiva transnacional. Carta Internacional, 4(1), 32-45. Recuperado de https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/458
Seção
Artigos