O Sudeste Asiático entre Estados Unidos e China: “arquipélago de economias de mercado” ou palco da competição interestatal capitalista?

  • Isabela Nogueira Professora Adjunta do Instituto de Economia e do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Bruno Hendler Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Relações China-Sudeste Asiático, Arquipélago de Economias de Mercado, Competição Interestatal, Pivô Estratégico

Resumo

Este artigo examina a projeção da China sobre o Sudeste (SE) Asiático a partir de três ciclos recentes: 1990-1997, 1997-2008, e de 2008 até hoje. Tem-se como hipótese que o SE Asiático tem se tornado um palco de grande relevância no jogo de poder e riqueza entre EUA e China desde 2008, e se afastado do cenário proposto por Giovanni Arrighi e Beverly Silver de formação de um “arquipélago de economias de mercado”, no qual as disputas por poder estariam subordinadas a ganhos coletivos por meio da interdependência econômica. Com foco na relação histórica SE Asiático-China, argumenta-se que apesar do esforço diplomático deste país, o terceiro ciclo de relações com a região é mais agressivo e tem elevado as assimetrias nas esferas comercial, financeira e político-militar. Somando-se isto ao pivô estratégico da administração Obama, concluímos que o acirramento da disputa entre as potências é um cenário provável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Nogueira, Professora Adjunta do Instituto de Economia e do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Instituto de Economia e Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Bruno Hendler, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

ABU-LUGHOD, Janet. 1989. Before European hegemony: The world system AD 1250-1350. Oxford: Oxford University Press,

ACHARYA, Amitav. 2008. Asia Rising: who is leading? Singapura: World Scientific Publishing Co,

AGLIETTA, Michel; BAI, Guo. 2013. China’s Development: Capitalism and empire. Londres e Nova York: Routledge.

ARRIGHI, Giovanni. 2008. Adam Smith em Pequim: origens e fundamentos do século XXI. São Paulo: Boitempo.

ARRIGHI, Giovanni; SILVER, Beverly J. 2001. Caos e governabilidade no moderno sistema mundial. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora UFRJ.

ARRIGHI, Giovanni; SILVER, Beverly J. 2011. The End of the Long Twenieth Century. In: Business as usual: the roots of the global financial meltdown. New York: New York University Press.

BATSON, A. 2015. Can the New Silk Road Revive China’s Exports? Gavekal Dragonomics, China Research.

CARNEIRO, Flavio. Set./dez. 2014. A Parceria Transpacífica: Principais características e impactos sobre a regulação do comércio mundial. Boletim de Economia e Política Internacional, no 18.

DIAMOND, Jared. 2006. Armas, germes e aço: os destinos das sociedades humanas. Rio de Janeiro, Editora Record, 8ª ed.

FRANK, Andre G. 1998. ReOrient: global economy in the Asian Age. Los Angeles, CA: University of California Press.

GEORGE, Suzan. 2015. Shadow Sovereigns: How global corporations are seizing power. Londres: Polity.

KAPLAN, Robert. Asia’s cauldron: The South China Sea and the end of a stable Pacific. Nova York: Random House, 2014.

KHAN, Raja Muhammad. Sem data. Sino-U.S. rivalry in Southeast Asia. Turkish Policy Quarterly.

KISSINGER, Henry. 2011. Sobre a China. Rio de Janeiro: Objetiva.

LI, Mingjiang. 2009. Explaining China’s proactive engagement in Asia. In: TANG, Shiping, LI, Mingjiang; ACHARYA, Amitav (orgs.). Living with China: regional states and China through crises and turning points. Nova York: Palgrave Macmillan.

MAJID, Munir. 2013. Southeast Asia Between China and the United States. London School of Economics and Political Science.

MEDEIROS, C. 2008. Desenvolvimento econômico e ascensão nacional: rupturas e transições na Rússia e China. In: ______; FIORI, José L.; SERRANO, Franklin. O mito do colapso do poder americano. Rio de Janeiro: Record.

MILLER, Tom. Junho, 2015 Asia’s Infrastructure Arms Race. Gavekal Dragonomics, China Research.

MU, Yang; SIAM-HENG, Heng. 2011. China-ASEAN Relations after CAFTA. In: LI, Mingjiang; KWA, Chong Guan (orgs.). China-Asean sub-regional cooperation: Progress, Problems and Prospect. Singapura: World Scientific Publishing Co.

NATHAN, Andrew J.; SCOBELL, Andrew. 2012. China’s search for security. Nova York: Columbia University Press.

NOGUEIRA, Isabela. 2015. Políticas de Fomento à Ascensão da China nas Cadeias Globais de Valor. In: CINTRA, Marcos Antonio; SILVA FILHO, Edison; PINTO, Eduardo. China em transformação. Brasília: IPEA.

NOGUEIRA, Isabela. 2008. A Política Regional da China e os Processos de Integração na Ásia. In: China - Conferência Nacional de Política Externa e Política Internacional. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão.

REILLY, James. 2011. China’s economic statecraft: turning wealth into power. Sidney: Lowy Institute For International Policy.

SØRENSEN, Camilla. vol. 3, no 1, 2015. The Significance of Xi Jinping’s “Chinese Dream” for Chinese Foreign Policy: From “tao guang yang hui” to “feng fa you wei”. Journal of China and International Relations.

SPENCE, Jonathan. 2000. Em Busca da China Moderna. São Paulo: Companhia das Letras.

STUART-FOX, Martin. A short history of China and Southeast Asia: tribute, trade and influence. Maryborough, Austrália: Allen & Unwin, 2003.

USTR. 2015. The Trans-Pacific Partnership: Overall U.S. benefits. United States Trade Representative, Washington D.C. Disponível em: https://ustr.gov/sites/default/files/TPP-Overall-US-Benefits-Fact-Sheet.pdf

Publicado
30-12-2016
Como Citar
Nogueira, I., & Hendler, B. (2016). O Sudeste Asiático entre Estados Unidos e China: “arquipélago de economias de mercado” ou palco da competição interestatal capitalista?. Carta Internacional, 11(3), 199 - 222. https://doi.org/10.21530/ci.v11n3.2016.489
Seção
Artigos