Enriquecimento de animosidades: o início da política nuclear brasileira

  • Túlio Sérgio Henriques Ferreira UFPB
  • Vanessa Horácio Lira UFPB - PPGCPRI
Palavras-chave: política externa brasileira, política nuclear, relações bilaterais Brasil-Estados Unidos

Resumo

O artigo trata do início da política externa do Brasil para a questão nuclear e analisa o processo decisório das políticas adotadas pelo governo brasileiro sobre o tema. Estuda o período entre as primeiras atividades de pesquisa nuclear no Brasil, na década de 1930, e os desdobramentos da CPI da Energia Atômica instaurada no governo de Juscelino Kubitschek em 1956. Conjuntura na qual o Brasil vivencia transição política, debate sobre o desenvolvimento econômico e sentimento antiamericanista. No período são celebrados quatro acordos bilaterais com os EUA referentes à questão nuclear. Negociações que refletem interesses defendidos por distintos grupos sociais, políticos e econômicos da nação brasileira. Identificam-se quais atores compuseram o quadro dos processos decisórios, como atuaram e como suas decisões influenciaram na política externa brasileira para os átomos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Túlio Sérgio Henriques Ferreira, UFPB
Professor Adjunto Departamento Relações InternacionaisVice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política e Relações Internacionais  
Vanessa Horácio Lira, UFPB - PPGCPRI
Mestrando no PPGCPRI

Referências

Livros

Andrade, A.M.R. de, 2006. A opção nuclear: 50 anos rumo à autonomia. Rio de Janeiro: Editora MAST.

Bandeira, M., 1994. O Milagre Alemão e o Desenvolvimento do Brasil: As Relações da Alemanha com o Brasil e a América Latina (1949-1994). São Paulo: Editora Ensaio.

Bandeira, M., 1998. Relações Brasil-EUA no contexto da globalização: I. Presença dos EUA no Brasil.São Paulo: Editora SENAC São Paulo.

Benevides, M.V. de M., 1979. O Governo Kubitschek: desenvolvimento econômico e estabilidade política, 1956-1961. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Campos, R., 1998. A lanterna na popa. Rio de Janeiro: Topbooks.

Carvalho, J.M. de, 2005. Forças Armadas e política no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Cervo, A.L. & Bueno, C., 2002. História da política exterior do Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

D’Araujo, M.C., 1992. O segundo governo Vargas 1951-1954: democracia, partidos e crise política. São Paulo: Editora Ática.

Fausto, B., 2008. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Guilherme, O., 1957. O Brasil e a era atômica. Rio de Janeiro: Editorial Vitória.

Hudson, V. M., 2013. Foreign policy analysis: classic and contemporary theory. Lanham: Rowman & Littlefield Press.

Hurrell, A., 2013. The quest for autonomy: the evolution of Brazil's role in the international system, 1964-1985. Brasília: FUNAG.

Mingst, K., 2009. Princípios de Relações Internacionais. Rio de Janeiro: Elsevier.

Moura, G., 1990. O Alinhamento Sem Recompensa: a política externa do governo Dutra. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil.

Moura, G., 1991. Sucessos e ilusões: relações internacionais do Brasil durante e após a Segunda Guerra Mundial. RJ: Fundação Getúlio Vargas. 1991.

Oliveira, O.M. de, 1999. Os descaminhos do Brasil nuclear. Ijuí: Editora UNIJUÍ.

Pécaut, D., 1990. Os Intelectuais e a Política no Brasil – entre o povo e a nação. São Paulo: Editora Ática.

Pecequilo, C.S., 2011. A política externa dos EUA: continuidade ou mudança. Porto Alegre: Editora UFRGS.

Peixoto, A.C., 1980. O Clube Militar e os confrontos no seio das forças armadas (1945-1964). In A. Rouquié (org). Os Partidos Militares no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Record, pp.71-113.

Rocha Filho, A. & Garcia, J.C.V., 2006. Renato Archer: energia atômica, soberania e desenvolvimento: depoimento. Rio de Janeiro: Editora Contraponto.

Rosa, L.P., 1985. Da gênese da bomba à política nuclear brasileira. In: A. Herrera & R. Arnt (orgs). O Armamentismo e o Brasil: a guerra deles. São Paulo: Editora Brasiliense, pp.29-67.

Salles, D., 1958. Energia Atômica: Um Inquérito que Abalou o Brasil. São Paulo: Editora Fulgor.

Silva, A. de M. e, 1992. A política externa de JK: a Operação Pan-Americana. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil.

Skidmore, T., 1982. Brasil: de Getúlio a Castelo. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Weis, M., 1993. Cold warriors and coups d’état: Brazilian-American relations, 1945-1964 Albuquerque: University of New Mexico Press.

Artigos, teses e dissertações

Andrade, A.M.R. de., 2012. Átomos na política internacional. Revista iberoamericana de ciencia, tecnología y sociedad, 7(21), p. 113-140.

Andrade, A.M.R. de & Santos, T. L. dos., 2009. A criação da CNEN no contexto do governo JK. Parcerias Estratégicas, 14(29), p. 225-236.

Andrade, A.M.R. de & Santos, T. L. dos., 2013. A dinâmica política da criação da Comissão Nacional de Energia Nuclear, 1956-1960. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 8(1), p. 113-128.

Dawood, L. & Herz, M., 2013. Nuclear governance in Latin America. Contexto Internacional, 35(2), p. 497-535.

Farnham, B., 2004. Impact of the Political Context on Foreign Policy Decision-Making. Political Psychology, 25(3), pp.441-463.

Ferreira, T.S.H., 2012. O Antiamericanismo de Cátedra: Desenvolvimento e Nacionalismo no Brasil na década de 1950. Tese de doutorado. Brasília: Universidade de Brasília.

Hermann, C. F., 1990. Changing course: when governments choose to redirect foreign policy. International Studies Quarterly, 34(1), p. 3-21.

Hermann, M. G., 2001. How decision units shape foreign policy: A theoretical framework. International Studies Review, 3(2), p. 47-81.

Hirst, M., 1990. O Pragmatismo Impossível: a política externa do segundo governo Vargas (1951-1954). Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil.

Santos, T.L. dos, 2008. Os militares e a política nuclear brasileira. In XIII Encontro de História Anpuh-Rio. Rio de Janeiro.

Souza, F. F. de, 2011. A política nuclear brasileira entre 1945-1964. Revista Litteris, março, nº 7.

Vasconcelos, M.E. de, 2000. Resolução da mistura tório e terras raras por precipitação fracionada e tecnologia de troca iônica. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN).

Vizentini, P.G.F., 1994. O nacionalismo desenvolvimentista e a política externa independente (1951-1964). Revista Brasileira de Política Internacional, 37(1), p. 24-36.

Arquivos (ou Outras Fontes)

Arquivo Histórico do Itamaraty/ Telegramas e Correspondências Secretos, Confidenciais e Ostensivos Bilaterais de 1950-1958.

BRASIL. Constituição (1946). Constituição dos Estados Unidos do Brasil. Artigo 87; inciso IV. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao46.htm>. Acessado em: 11/12/2014.

BRASIL. Constituição (1946). Constituição dos Estados Unidos do Brasil. Artigo 180; inciso III. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao46.htm>. Acessado em: 02/02/2016.

BRASIL. Decreto-Lei nº 9.121, de 3 de abril de 1946.

National Achives (NARA)/ Record Group 59 e do RG 263.

Centro de Pesquisas e Documentação da História Contemporânea do Brasil (CPDOC)/ Ata da seção do Conselho de Segurança Nacional de 1947.

Contrabando Americano de Areias Monazíticas. 1953. Imprensa Popular. Rio de Janeiro. 17. Nov. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/108081/per108081_1953_01655.pdf. Acessado em: 15/03/2016.

Crime de lesa-pátria.1953. Imprensa Popular. Rio de Janeiro. 17. Mar. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/108081/per108081_1953_01372.pdf. Acesso em: 15/03/2016.

Publicado
30-12-2016
Como Citar
Ferreira, T. S. H., & Lira, V. H. (2016). Enriquecimento de animosidades: o início da política nuclear brasileira. Carta Internacional, 11(3), 77 - 98. https://doi.org/10.21530/ci.v11n3.2016.514
Seção
Artigos