A construção do refugiado no pós-Guerra Fria: dilemas, complexidades e o papel do ACNUR

  • Carolina Moulin Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Resumo

O artigo analisa o processo de construção social do refugiado na década de 1990, enfatizando o papeldesempenhado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). O trabalhoidentifica três principais dinâmicas que orientaram o entendimento sobre e o tratamento dado, noplano internacional, às populações refugiadas, quais sejam: 1) a prevalência da compreensão da figurado refugiado como elemento potencialmente desestabilizador da ordem internacional; 2) a proliferaçãode novas categorias de “quase refugiados” e a relativização do movimento de construção espacial dodeslocamento e 3) a busca pela separação estrita entre economia e política na definição do Refugiadoem um contexto de fluxos migratórios mistos. O artigo explora cada uma dessas dinâmicas no âmbitodos processos internacionais mais amplos relativos à proteção humanitária. Conclui-se com algumasconsiderações sobre como as contingências normativas e institucionais experimentadas nesse contextofomentaram a criação de um ambiente cada vez mais restritivo ao direito individual à mobilidade, dandopoder a determinados atores em detrimento das próprias populações refugiadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Moulin, Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
PhD em Relações Internacionais pela McMaster University, Canadá. É Coordenadora de Pós-Graduaçao e professorado Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Publicado
20-12-2012
Como Citar
Moulin, C. (2012). A construção do refugiado no pós-Guerra Fria: dilemas, complexidades e o papel do ACNUR. Carta Internacional, 7(2), 23-49. Recuperado de https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/57
Seção
Artigos