O Brasil como potência regional: uma análise de sua liderança na América do Sul no início do século XXI

  • Patricia Nasser de Carvalho Departamento de Ciências Econômicas - Universidade Federal de Minas Gerais
  • Fernanda Cristina Nanci Izidro Gonçalves
Palavras-chave: Brasil, América do Sul, potência regional, liderança.

Resumo

Considerando a nova dinâmica geopolítica que se estabelece na América do Sul a partir dos anos 2000, o objetivo deste artigo é examinar a atuação do Brasil como potência regional a partir de evidências que corroboraram este papel e o exercício de sua liderança regional durante o Governo Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). Verifica-se que, apesar de certas limitações e de não ser uma potência inconteste, sua estratégia, sua disposição de assumir uma posição como elo fortalecedor dos processos de integração, seu engajamento na cooperação regional e seus recursos materiais permitiram o exercício da liderança regional pelo país. Por fim, realiza-se uma breve reflexão sobre as condições para o mesmo exercício por parte do Brasil na gestão Dilma Rousseff (2011-2016), inferindo-se que houve traços de continuidade da política externa para a região, mas com menor pró-atividade brasileira em função de mudanças das condições domésticas e internacionais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Nasser de Carvalho, Departamento de Ciências Econômicas - Universidade Federal de Minas Gerais
Doutora em Economia Política Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ARCINIEGAS, Alexander Carreño. El acuerdo de paz en Colombia y sus posibles impactos para Brasil y la región. Observador On-Line, v.10, n.2, 2015.

BANDEIRA, Luiz Alberto Muniz. O Brasil como potência regional e a importância estratégica da América do Sul na sua política exterior. Revista Espaço Acadêmico, n. 91, dez. 2008. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/091/91bandeira.htm>. Acesso em: 28/08/16.

BATTAGLINO, Jorge. Defence in a Post-Hegemonic Regional Agenda: The Case of the South American Defence Council. In: RIGGIORIZZI, Pia. TUSSIE, Diana. The Rise of Post-Hegemonic Regionalism: the Case of Latin America. Nova Iorque: Springer, 2012.

LOPES, Dawisson Belém. Titubeios e tergiversações: epitáfio para a era Patriota. Revista Insight Inteligência. n. 62, 2013, p. 72-81.

BUZAN, Barry. A World Order Without Superpowers: Decentred Globalism. International Relations. Vol. 25, n. 3, 2011.

BORGES, F. Um balanço das relações Brasil e Colômbia: Desconfianças e convergências. Série Relatório de Países, Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, 2015. Disponível em: <http://www.kas.de/wf/doc/kas_42083-1522-5-30.pdf?150813210556>. Acesso em 23/09/2016.

CASARÕES, Guilherme. O Brasil no mundo em tempos de crise. GV-Executivo, v. 15, n. 1, 2016. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/gvexecutivo/article/viewFile/61492/59677> Acesso em: 18/102016.

CERVO, Amado; LESSA, Antônio Carlos. O declínio: inserção internacional do Brasil (2011–2014). Revista Brasileira de Política Internacional. v. 57, n. 2, 2014, p. 133-151.

CORNETET, João Marcelo Conte. A política externa de Dilma Rousseff: contenção na continuidade. Conjuntura Austral, v. 5, n. 24, 2014, p. 111-150.

COSTA, Wanderley Messias da. O Brasil e a América do Sul: cenários geopolíticos e os desafios da integração. Confins, n. 7, 2009.

FLEMES, Daniel.Brazil Strategic Options in the Changing World Order. In: FLEMES, Daniel (Org). Regional Leadership in the Global System: Ideas, Interests and Strategies of Regional Powers. Farnham, Burlington: Ashgate Publishing, 2010.

______________. La política exterior colombiana desde la perspectiva del realismo neoclássico. In: JOST, Stefan. Colombia: ¿una potencia en desarrollo? Escenarios y desafíos para su política exterior. Fundação Konrad Adenauer Colômbia: Opciones Gráficas Editores, 2012.

GODEHARDT, Nadine; NABERS, Dirk. Introduction. In: ___________. Regional Powers and Regional Orders. Londres: Routledge, 2011.

LIMA, Maria Regina Soares de. A Nova Agenda Sul-Americana e o Papel Regional do Brasil. In: HERSHBERG, Eric; SERBIN, Andrés; VIGEVANI, Tullo. Pensamiento Próprio: El hemisferio en transformación: Regionalismo, multilateralismo y políticas exteriores en un entorno cambiante. Buenos Aires: CRIES, ano 19, jan-jun, 2014.

______________. Aspiração Internacional e Política Externa. Revista Brasileira de Comércio Exterior, n.82, ano XIX, jan-mar, 2005.

_____________. Relações Interamericas: a Nova Agenda Sul-americana e o Brasil. Lua Nova, São Paulo, Vol. 90, 2013, p. 167-201. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ln/n90/a07n90.pdf>. Acesso em 15/07/2016.

_____________. Autonomia na dependência: a agência da política externa. Boletim OPSA. n. 1, 2015.

_____________. A política externa brasileira e os desafios da cooperação Sul-Sul. Revista Brasileira de Política Internacional. Vol. 48, no 1, 2005, p. 24-59. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbpi/v48n1/v48n1a02.pdf>. Acesso em 30/08/2016.

MALAMUD, Andres. Moving Regions: Brazil’s Global Emergence and the Redefinition of Latin American Borders. In: RIGGIORIZZI, Pia. TUSSIE, Diana. The Rise of Post-Hegemonic Regionalism: the Case of Latin America. Nova Iorque: Springer, 2012.

_____________. A leader without followers? The growing divergence between the regional and global performance of Brazilian foreign policy. Latin American Politics and Society, v.53, n.3, pp.1-24, 2011.

MARIANO, Marcelo Passini; RAMANZINI JUNIOR, Haroldo; ALMEIDA, Rafael Augusto Ribeiro. O Brasil e a integração na América do Sul uma análise dos últimos dez anos (2003-2013). Relações Internacionais, n.41, Lisboa, mar. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-91992014000100008>. Acesso em 09/10/2016.

NEL; Philip; STEPHEN, Matthew. The Foreign Economic Policies of Regional Powers in the Developing World. In: FLEMES, Daniel (ed). Regional Leadership in the Global System: Ideas, Interests and Strategies of Regional Powers. Farnham, Burlington: Ashgate Publishing, 2010.

NOLTE, Detlef. Regional Powers and regional governance. In: GODEHARDT, Nadine; NABERS, Dirk. Regional Powers and Regional Orders. Londres: Routledge, 2011.

PADULA, Raphael. As visões dominantes sobre a integração regional: o regionalismo aberto e a Iniciativa para a Integração de Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA). In: COSTA, D. América do Sul: integração e infraestrutura. 143-208. Rio de Janeiro: Capax Dei, 2011.

PADULA, Rafael; DESIDERÁ, Walter; MARIANO, Marcelo; HALLACK, Michelle; BARROS; Pedro. Relações do Brasil com a América do Sul após a Guerra Fria: Política Externa, Integração, Segurança e Energia. Texto para Discussão, IPEA, 2015.

PECEQUILO, Cristina Soreanu. A América do Sul como Espaço Geopolítico e Geoeconômico: o Brasil, os EUA e a China. Carta Internacional, v. 8, n. 2, jul-dez, 2013.

_______________. O Brasil e os Estados Unidos no século XXI: uma nova percepção mútua? Carta Internacional, Vol. 8, n. 2, 2013, p. 100-115. Disponível em: < http://brasilnomundo.org.br/wp-content/uploads/2015/04/046_A.America.do_.Sul_.como_.espa%C3%A7o.Geopolitico.e.Geoeconomico_Cristina.Pecequilo.pdf > Acesso em 29/08/2016.

PINHEIRO, Leticia. Política Externa Brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004

RUSSELL; Roberto. TOKATLIAN, Juan. Modelos de política exterior y opciones estratégicas El caso de América Latina frente a EUA. Revista CIDOB D’Afers Internacionals (Los retos de América Latina en un mundo en cambio), n.85-86, 2009.

SANTOS, Marcelo. A Presença Brasileira na América do Sul: ações e instrumentos. Análisis Político, nº 77, Bogotá, enero-abril, p. 195-2010, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.org.co/pdf/anpol/v26n77/v26n77a09.pdf>. Acessado em: 07/10/2016.

SARAIVA, Miriam Gomes. Balanço da política externa de Dilma Rousseff: perspectivas futuras? Revista Relações Internacionais, n. 44, 2014, p. 25-35.

SARAIVA, Miriam Gomes; GOMES, Z. B. Os limites da Política Externa de Dilma Rousseff para a América do Sul. Relaciones Internacionales, nº 50, 2016 , p. 81-97.

SERBIN, Andrés; VIGEVANI, Tullo; HERSHBERG, Eric. La nueva dinámica hemisférica: Desafíos y potencialidades. In: __________. Pensamiento Próprio: El hemisferio en transformación: Regionalismo, multilateralismo y políticas exteriores en un entorno cambiante. Buenos Aires: CRIES, ano 19, jan-jun, 2014.

SEVERO, L. M. Relações Brasil-Argentina: tudo nos une e nada nos separa. Carta Maior, 30/11/205. Disponível em: <http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Relacoes-Brasil-Argentina-tudo-nos-une-e-nada-nos-separa/4/35074>. Acesso em 18/09/2016.

SPEKTOR, Mathias. Ideias de ativismo regional: a transformação das leituras brasileiras da região. Revista Brasileira de Política Internacional, v.53, n.1, jan-jul, 2010.

VIGEVANI, Tullo; ARAGUSUKU, Juliano. Atitudes brasileiras para as organizações hemisféricas: Círculos concêntricos. In: HERSHBERG, Eric; SERBIN, Andrés; VIGEVANI, Tullo. Pensamiento Próprio: El hemisferio en transformación: Regionalismo, multilateralismo y políticas exteriores en un entorno cambiante. Buenos Aires: CRIES, ano 19, jan-jun, 2014.

VIGEVANI, Tullo; RAMANZINI, H. Autonomia, Integração Regional e Política Externa Brasileira: Mercosul e Unasul. Dados Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 57, n. 2, 2014, pp. 517 a 552. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/dados/v57n2/a08v57n2.pdf>. Acesso em 05/09/2016.

WEHNER, Leslie. Roles and Actions of leadership: Brazil and the South American others. In: GODEHARDT, Nadine; NABERS, Dirk. Regional Powers and Regional Orders. Londres: Routledge, 2011.

Sites consultados:

ALIANÇA DO PACÍFICO. Disponível em: <https://alianzapacifico.net>. Acesso em: 13/07/2016.

BANCO MUNDIAL. Disponível em: <http://data.worldbank.org/>. Acesso em: 13/07/2016.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Disponível em: <http://hdr.undp.org/>. Acesso em: 13 jul. 2016.

CINDES. CENTRO DE ESTUDOS DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. IndexInvest Brasil, 2015. Disponível em: < http://www.cindesbrasil.org/site/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=45&Itemid=63>. Acesso em 11/10/2016.

EL PAÍS. Macro pedirá a suspensão da Venezuela no MERCOSUL. 23/11/2015. Disponível em: <http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/23/internacional/1448286471_443877.html>. Acesso em 01/10/2016.

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL. Disponível em: <http://www.imf.org/external/index.htm>. Acesso em: 23/07/2016.

MERCADO COMUM DO SUL (MERCOSUL). Disponível em:< http://www.mercosul.gov.br>. Acesso em: 13/07/2016.

STOCKHOLM INTERNATIONAL PEACE INSTITUTE (SIPRI). Disponível em: <https://www.sipri.org/>Acesso em: 28/07/2016.

THE OBSERVATORY OF ECONOMIC COMPLEXITY (OEC). Disponível em: <http://atlas.media.mit.edu/pt/profile/country/bra/>. Acesso em: 23/07/2016.

UNIÃO DE NAÇÕES SUL-AMERICANAS (UNASUL).Disponível em:<http://www.unasursg.org>.Acesso em: 12/07/2016

WORLD TRADE ORGANIZATION (WTO). Disponível em: <https://www.wto.org/english/news_e/pres16_e/pr768_e.htm>. Acesso em 12/10/2016.

Publicado
30-12-2016
Como Citar
Carvalho, P. N. de, & Gonçalves, F. C. N. I. (2016). O Brasil como potência regional: uma análise de sua liderança na América do Sul no início do século XXI. Carta Internacional, 11(3), 222 - 252. https://doi.org/10.21530/ci.v11n3.2016.570
Seção
Artigos