Mudança Institucional em Regimes de Direitos Humanos: o Sistema Interamericano e os Estados “em cima do muro”

  • Isabela Gerbelli Garbin Ramanzini Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Instituições internacionais, regimes internacionais, direitos humanos, sistema interamericano de direitos humanos

Resumo

O objetivo do artigo consiste em analisar o desenvolvimento institucional do Sistema Interamericano de Direitos Humanos (SIDH) sob o prisma da relação entre a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e os Estados não jurisdicionados. A seleção desse grupo de Estados – que se manteve “em cima do muro” ao longo do processo de transformação do sistema regional em um sistema protetivo – representa um ponto de partida pouco explorado. Como esses Estados encontram-se comprometidos em menor grau com as obrigações regionais de direitos humanos, é comum receberem a pecha de obstáculos à universalização do SIDH. As raras referências aos Estados não jurisdicionados nos estudos sobre o SIDH se restringem a qualificá-los como impedimentos à expansão e ao adensamento institucional do sistema regional. Os achados da pesquisa permitem rivalizar com essa ideia, sugerindo que, embora comprometidos em menor grau, a presença e a participação dos Estados não jurisdicionados no SIDH são parcelas explicativas não apenas do design institucional e funcionamento peculiar do SIDH, mas também da própria continuidade do sistema regional de direitos humanos, por representarem a construção de um fator de estabilidade institucional dentro de um panorama persistente de questionamentos da própria ideia de proteção interamericana dos direitos humanos na região. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Gerbelli Garbin Ramanzini, Universidade Federal de Uberlândia
Professora Doutora, Graduação e Pós-Graduação em Relações Internacionais

Referências

ALVES, J. A. L. A arquitetura internacional dos direitos humanos. São Paulo: FTD, 1997.

AMORIM, C. O Brasil e os direitos humanos: em busca de uma agenda positiva. Política Externa, v. 18, n. 2, 2009, p. 67-75.

BASCH, Fernando; et al. A eficácia do sistema interamericano de proteção de direitos humanos: uma abordagem quantitativa sobre seu funcionamento e sobre o cumprimento de suas decisões. Sur, v. 7, n. 12, 2010, p. 09-35.

BUERGENTHAL, Thomas. Remembering the early years of the Inter-American Court of Human Rights. In: Center for Human Rights and Justice Working Paper n. 1, 2005, New York, p. 01-17. Disponível em: <http://www.corteidh.or.cr/tablas/31422.pdf>. Acesso em: 06 Fev. 2017.

CAVALLARO, J.; BREWER, S. O papel da litigância para a justiça social no Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Sur, v.5, n. 8, 2008a, p. 84-99.

CAVALLARO, James L.: BREWER, Stephanie E. Reevaluating regional human rights litigation in the twenty first century: the case of the Inter-American Court. American Journal of International Law, v. 102, 2008b, p.768-827.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Comunicado de Imprensa n. 58/12, 06. Jun. 2012. Disponível em:<http://www.oas.org/es/cidh/prensa/comunicados/2012/058.asp>. Acesso em: 16 Set. 2015.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Plano Estratégico: 2011-2015. 2011. Disponível em:<http://www.oas.org/en/iachr/docs/pdf/IACHRStrategicPlan20112015.pdf>. Acesso em: 14 set. 2015.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Resolução 01/2013. 2013. Disponível em: <http://www.oas.org/es/cidh/decisiones/pdf/Resolucion1-2013esp.

pdf>. Acesso em: 15 Fev. 2015.

DYKMANN, K. Human rights policy of the Organization of American States in Latin America: philanthropic endeavors or the explotation of an ideal? Princeton: Markus Wiener Publishers, 2004.

DONNELLY, Jack. International human rights: a regime analysis. International Organization, n. 40, v. 3, 1986, p. 599-642.

DONNELLY, Jack. Universal human rights in theory and practice. New York: Cornell University Press, 2003.

ENGSTROM, Par. A special relationship gone normal? Argentina and the Inter-American Human Rights System, 1979-2013. Pensamiento Proprio, v. 38, n. 18, 2013, p. 115-147.

FARER, T. J. The grand strategy of the United States in Latin America. New Brunswik, 1988.

FARER, T. J. The rise of the Inter-American human rights regime: no longer a unicorn, not yet an ox. Human Rights Quarterly, v. 19, n. 3, 1997, p. 510-546.

FORSYTHE, D. Human rights, the United States and the Organization of the American States. Human Rights Quarterly, v. 13, n.1, 1991, p. 66-98.

FRANÇA, T. C. N. De observador a membro integral: a lenta caminhada multilateral do Canadá em direção à OEA (1972-1990). Interfaces Brasil-Canadá, v. 13, n. 16, 2013, p. 113-130.

GOLDMAN, Robert K. History and action: The Inter-American Human Rights System and the role of the Inter-American Commission on Human Rights. Human Rights Quarterly, v.31, n. 4, 2009, p. 856-887.

GOLDSTEIN, J. et al. Introduction: Legalization and World Politics. International Organization, v. 54, n. 385, 2000, p. 393-96.

HELFER, L. Overlegalizing human rights: International Relations Theory and the Commonwealth Caribbean backlash against human rights regime. Loyola – Los Angeles Law School. Legal Studies Research Paper Series, Paper n. 13, 2002, p. 1832-1911.

INTER-AMERICAN HUMAN RIGHTS NETWORK. The Inter-American Human Rights System: The Law and Politics of Institutional Change. Workshop Summary. Institute of the Americas, University College London: 9-10, October 2015. Disponível em: <http://interamericanhumanrights.org/wp-content/uploads/2015/11/IAHRNLondon-Workshop-Summary-v02.11.151.pdf>. Acesso em: 18 set. 2016.

JIMÉNEZ, M. et al. Hacia un modelo de transparencia y acceso a la información en el sistema interamericano de derechos humanos. In: MAIA, C. B. et al. Desafíos del sistema interamericano de derechos humanos: nuevos tiempos, viejos retos. Bogotá: Centro de Estudios de Derecho, Justicia y Sociedad, Dejusticia, 2015, p. 108-42.

LUTZ, Ellen L.; SIKKINK, Kathryn. International Human Rights Law and Practice in Latin America. International Organization, v. 54, n. 3, 2000, p. 633-659.

MAHONEY, J.; THELEN, K. Explaining institutional change: ambiguity, agency and power. New York: Cambridge University Press, 2010.

MEDINA, Cecilia. The Inter-American Commission on Human Rights and the Inter-American Court of Human Rights: reflections on a joint venture. Human Rights Quarterly, v. 12, 1990, p. 439-464.

MORAVCSIK, A. The origins of human rights regimes: democratic delegation in postwar Europe. International Organization, v. 54, n. 2, 2000, p. 217-252.

MUÑOZ, A. A.; ZICCARDI, N. S. El processo de reforma al sistema interamericano de derechos humanos (2011-2013): crónica reciente y desafíos futuros. Pensamiento Proprio, v. 38, n. 18, 2013, p. 13-18.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Protocolo de Buenos Aires. Disponível em: <http://www.oas.org/dil/esp/tratados_B-31_Protocolo_de_Buenos_Aires.htm>. Acesso em: 06 Fev. 2017.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Convenção Americana de Direitos Humanos. 1969. Disponível em: <http://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.convencao_americana.htm>. Acesso em: 06 Fev. 2017.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Declaração Americana de Direitos e Deveres do Homem. 1948. Disponível em: <https://www.cidh.oas.org/Basicos/Portugues/b.Declaracao_Americana.htm>. Acesso em: 06 Fev. 2017.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Protocolo de San Salvador. 1988. Disponível em: <http://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/e.Protocolo_de_San_Salvador.htm>. Acesso em: 06 Fev. 2017.

PASQUALUCCI, Jo M. The practice and procedure of Inter-American Court of Human Rights. Cambridge, New York: Cambridge University Press, 2003.

PIOVESAN, F. Proteção dos direitos sociais: desafios do ius commune sul-americano. Revista do TST, v. 77, n.4, 2011, p. 102-39.

RAMOS, André de Carvalho. Direitos humanos em juízo: comentários aos casos contenciosos e consultivos da Corte Interamericana de Direitos Humanos. São Paulo: Max Limonad, 2001.

REZENDE, F. da Cunha. As instituições mudam endogenamente?: limites e possibilidades da mudança institucional endógena na Teoria Institucional Contemporânea. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica, n. 76, 2013, p. 33-61.

SALAZAR, K.; CERQUEIRA, D. Las atribuiciones de la Comissión Interamericana de Derechos Humanos antes, durante y después del processo de fortalecimiento: por un balance entre lo deseable y lo posible. In: MAIA, C. B. et al. Desafíos del sistema interamericano de derechos humanos: nuevos tiempos, viejos retos. Bogotá: Centro

de Estudios de Derecho, Justicia y Sociedad, Dejusticia, 2015, p. 144-189.

SHOULTZ, L. Human rights and United States policy toward Latin America. Princeton, 1981.

SIKKINK, K.; WALLING, C. O impacto dos processos judiciais de direitos humanos na América Latina. In: REIS, Rossana R. (Org). Políticas de Direitos Humanos. São Paulo: Hucitec, 2010, p. 94-124.

STEVENSON, B. J. R. O ingresso no Sistema Interamericano: o Canadá e a OEA. Contexto Internacional, v. 16, n. 1, 1994, p. 117-144.

THEDE, Nancy; BRISSON, Hughes. International relations and the Inter-american system of human rights promotion and protection: strategic exploitation of windows of opportunity. Quebec Journal of International Law. Edição especial, 2011, p. 07-36.

TRINDADE, A. A. Cançado. A consolidação da capacidade processual dos indivíduos na evolução da proteção internacional dos direitos humanos: quadro atual e perspectivas na passagem do século. In: PINHEIRO, Paulo S.; GUIMARÃES, Samuel P. (orgs.). Direitos humanos no século XXI. Brasília: IPRI, 2002, p. 19-48.

Publicado
26-09-2017
Como Citar
Ramanzini, I. G. G. (2017). Mudança Institucional em Regimes de Direitos Humanos: o Sistema Interamericano e os Estados “em cima do muro”. Carta Internacional, 12(2), 150 - 173. https://doi.org/10.21530/ci.v12n2.2017.618
Seção
Artigos