A grande fragmentação na América Latina: globalizados, reticentes e bolivarianos

  • Paulo Roberto Almeida Ministerio das Relacoes Exteriores - Uniceub
Palavras-chave: América Latina, fragmentação, políticas macroeconômicas, divergência

Resumo

Vários países latino-americanos tiveram, em termos de crescimento econômico e de desenvolvimento social, um desempenho decepcionante ao longo das últimas décadas, comparativamente, por exemplo, aos emergentes asiáticos. O ensaio fornece explicações para o atraso relativo de alguns dos países da região nesses quesitos, apoiando-se em fatores macroestruturais, examinando as políticas econômicas seguidas no continente e os resultados de longo prazo. A inflação, as inconsistências fiscais e a introversão econômica são em grande medida responsáveis pelas desigualdades e pelo modesto crescimento da América Latina. Nem todos eles recuaram, todavia, podendo ser identificados três tipos de países: (a) os globalizados, que são os que empreenderam reformas estruturais; (b) reticentes, que ficaram na metade do caminho dos ajustes necessários à sua integração internacional; e (c) bolivarianos, termo genérico aplicado àqueles que pretendem operar um retorno aos tempos de intervenções estatais na economia e de redistribuição de renda por meio de mecanismos compulsórios. São finalmente apresentados os elementos de política econômica e social que poderiam sustentar um processo de crescimento durável com transformação produtiva e redistribuição da renda, cuja primeira condição é o aumento da produtividade, por sua vez fundamentado sobre a boa qualidade da educação e das instituições de governança.Recebido em: 13 mar. 2014Aprovado em: 27 out. 2014

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Roberto Almeida, Ministerio das Relacoes Exteriores - Uniceub
Doutor em Ciências Sociais, Mestre em Planejamento Econômico, diplomata de carreira; professor de Economia Política Internacional no Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário de Brasília (Uniceub).

Referências

BARRO, R.; SALA-I-MARTIN, X. 1995. Economic Growth. 2a.ed.; Cambridge, Mas.: The MIT Press.

BAUER, P. 1957. The Economics of Under-developed Countries. Cambridge: Cambridge University Press.

BEATTIE, A. 2010. False Economy: a surprising economic history of the world. New York: Riverhead.

EASTERLY, W. 2006. The White Man’s Burden: Why the West’s Efforts to Aid the Rest Have Done So Much Ill and So Little Good. Nova York: Penguin Books.

MADDISON, A: 2001. The World Economy: a millenial perspective. Paris: OECD.

MYRDAL, G. 1970. The Challenge of World Poverty: A World Anti-Poverty Program in Outline. New York: Pantheon Books.

MYRDAL, G. 1968. Asian Drama: An Inquiry into the Poverty of Nation. Londres: Allen Lane: The Penguin Press.

Como Citar
Almeida, P. R. (1). A grande fragmentação na América Latina: globalizados, reticentes e bolivarianos. Carta Internacional, 9(1), 79-93. Recuperado de https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/86
Seção
Artigos