Dispersão e concentração espaciais dos cursos de Relações Internacionais no Brasil

contrastes e desafios da expansão da oferta nacional

  • Matheus Hoffmann Pfrimer Universidade Federal de Goiás (UFG) https://orcid.org/0000-0003-3472-3314
  • Giovanni Hideki Chinaglia Okado Universidade de Brasília (UnB) Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO)

Resumo

O crescimento acelerado dos cursos de Relações Internacionais (RI) no Brasil revelacontrastes e desafios. Esse processo de expansão pode ser periodizado em cinco momentos:protoperíodo, expansionismo privado, transição privado-pública, expansionismo público eperíodo de reconcentração geográfica. O penúltimo deles foi caracterizado pelo fomento públicode novos cursos de RI a partir do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansãodas Universidades Federais (Reuni) em 2007. Nesse período, cria-se vários cursos de RI emuniversidades federais. Contudo, a aprovação da Emenda Constitucional n. 95 em 2016, queestabeleceu o contingenciamento de gastos públicos, parece marcar o fim desse período.Este artigo investiga a dispersão e a concentração espacial decorrente desse crescimento,demonstrando, por meio da análise espacial e quantitativa, a herança deixada pelo Reunipara a universalização do ensino de RI. Para tanto, utilizou-se dados secundários sobre os cursos de RI disponibilizados no Portal do Ministério da Educação e Cultura (E-MEC).A análise revela que a expansão de cursos de RI caracteriza-se pela concentração espacial, emque a lógica da universalização do ensino é suplantada pela exclusão espacial, originando umperíodo de reconcentração geográfica. Essa herança indica a estagnação do número de cursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Hoffmann Pfrimer, Universidade Federal de Goiás (UFG)
Professor do Curso de Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Sociais (FCS)
Giovanni Hideki Chinaglia Okado, Universidade de Brasília (UnB) Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO)
Doutorando em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (UnB) e professor do curso de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO)

Referências

ALMEIDA, Paulo.Roberto de. O estudo das relações internacionais do Brasil. Um diálogo entre a diplomacia e a academia. Brasília: LGE Editora, 2006.

BRASIL. Lei Federal n. 9131. Brasília: Congresso Nacional, 1995.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Brasília: Congresso Nacional, 2001a.

BRASIL. Lei Federal n. 10.260. Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior. Brasília: Presidência da República, 2001b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10260.htm (Acesso em: 10 out. 2018).

BRASIL. Lei Federal n. 10.172. Plano Nacional de Educação. Brasília: Congresso Nacional. 2001c. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L10172.pdf (Acesso em: 10 out. 2018).

BRASIL. Lei Federal n. 11.096. Programa Universidade para Todos (PROUNI). Brasília: Congresso Nacional, 2005.

BRASIL. Decreto nº 6.096. Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). Brasília: Congresso Nacional, 2007.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 95. Brasília: Congresso Nacional, 2016.

BRIGAGÃO, Clovis. Relações internacionais no Brasil: instituições, programas, cursos e redes. Rio de Janeiro: Gramma, 2004.

CARR, Edward. Vinte anos de crise: 1919-1939.Uma introdução ao estudo das Relações Internacionais . Brasilia: Editora Universidade de Brasília e Imprensa Oficial, 2001.

CERVO, Amado Luiz. “A historiografia brasileira das Relações Internacionais”. Revista Interamericana de Bibliografia, v. 42, n. 3, 1992, p. 393-409.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÂO (CNE). Diretrizes Curriculares Nacionais para Cursos de Gradação em Relações Internacionais. Brasília: INEP, 2016.

FERREIRA, Marcos Alan S. V. The rise of International Relations programs in the Brazilian Federal Universities: curriculum specificities and current challenges. Journal of Political Science Education, v. 12, n. 3, 2016, p. 241-255.

GONÇALVES, Williams. Relações internacionais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2002.

GOTTMANN, Jean. Center and periphery. Spatial Variations in Politics. London: Sage, 1980.

HERZ, Monica. “O crescimento da área de relações internacionais no Brasil”. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, 2000, p. 7-40.

JULIAO, Tais Sandrim. A graduação em RI no Brasil. Revista Monções, v. 1, n. 1, 2012, p. 13-48.

JULIAO, Taís Sandrim. ENADE 2009 e a avaliação da área de Relações Internacionais. Mundorama, v. 28, 2009, p. a-b.

LESSA, Antônio Carlos. O ensino das Relações Internacionais no Brasil. In: SARAIVA, José Sombra; CERVO, Amado Luiz (Eds.) O crescimento das relações internacionais no Brasil. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2005a, p. 33-50.

LESSA, Antônio Carlos. Os problemas recentes e as muitas virtudes do Mercado de trabalho para profissionais de Relações Internacionais no Brasil. Meridiano 47 – Journal of Global Studies, v. 6, n. 58, 2005b, p. 11-12.

MAIA, Marrielle. O fortalecimento do papel institucional do Conselho Nacional de Educação no processo de elaboração, aperfeiçoamento e acompanhamento das políticas públicas de educação básica e superior em todas as etapase modalidades de educação e ensino: Documento Técnico referente ao Produto 1 do Projeto CNE/UNESCO914/BRZ1042.3. Brasília: Ministério da Educação e Cultura e Unesco, 2017.

MAIA, Marrielle; FRANCO, Ana Maria de Paiva; NEDER, Henrique Dantas. O fortalecimento do papel institucional do Conselho Nacional de Educação no processo de elaboração, aperfeiçoamento e acompanhamento das políticas públicas de educação básica e superior em todas as etapas e modalidades de educação e ensino. Brasilia: Conselho Nacional de Educação, 2017.

MEC. Ministério da Educação e Cultura. Padrões de Qualidade para os Cursos de Relações Internacionais. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/padreli.pdf>. Acesso em: 10 out. 2018.

MEC. Ministério da Educação e Cultura. Resolução n. 4 de 4 de Outubro de 2017. Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2017.

MIYAMOTO, Shiguenoli. “O ensino das relações internacionais no Brasil: o estado da arte”.Revista de Sociologia Política, Curitiba, n.12, 1999, p. 83-98.

MIYAMOTO, Shiguenoli. “Ensino das Relações Internacionais do Brasil: problemas e perspectivas”.Revista de Sociologia Política, Curitiba, n. 20, 2003, p. 103-114.

RIBEIRO, Pedro Feliú; KATO, Mariana; RAINER, Gary. Mercado de trabalho e relações internacionais no Brasil: um estudo exploratório. Meridiano 47 – Journal of Global Studies, v. 14, n. 135, 2013, p. 10-18.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Novos conteúdos nas periferias urbanas nas cidades médias do Estado de São Paulo, Brasil. Revista Investigaciones Geográficas, Cidade do México, n. 54, 2004, p. 114-139.

VIZENTINI, Paulo Fagundes. “A evolução da produção intelectual e dos estudos acadêmicos de relações internacionais no Brasil”. In: SARAIVA, José Sombra; CERVO, Amado Luiz (Eds.) O crescimento das relações internacionais no Brasil. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2005, p. 17-35.

Publicado
21-05-2019
Como Citar
Pfrimer, M. H., & Okado, G. H. C. (2019). Dispersão e concentração espaciais dos cursos de Relações Internacionais no Brasil. Carta Internacional, 14(1), 225-249. https://doi.org/10.21530/ci.v14n1.2019.867