Dispersão e concentração espaciais dos cursos de Relações Internacionais no Brasil

Resumo

O crescimento acelerado dos cursos de Relações Internacionais (RI) no Brasil revelacontrastes e desafios. Esse processo de expansão pode ser periodizado em cinco momentos:protoperíodo, expansionismo privado, transição privado-pública, expansionismo público eperíodo de reconcentração geográfica. O penúltimo deles foi caracterizado pelo fomento públicode novos cursos de RI a partir do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansãodas Universidades Federais (Reuni) em 2007. Nesse período, cria-se vários cursos de RI emuniversidades federais. Contudo, a aprovação da Emenda Constitucional n. 95 em 2016, queestabeleceu o contingenciamento de gastos públicos, parece marcar o fim desse período.Este artigo investiga a dispersão e a concentração espacial decorrente desse crescimento,demonstrando, por meio da análise espacial e quantitativa, a herança deixada pelo Reunipara a universalização do ensino de RI. Para tanto, utilizou-se dados secundários sobre os cursos de RI disponibilizados no Portal do Ministério da Educação e Cultura (E-MEC).A análise revela que a expansão de cursos de RI caracteriza-se pela concentração espacial, emque a lógica da universalização do ensino é suplantada pela exclusão espacial, originando umperíodo de reconcentração geográfica. Essa herança indica a estagnação do número de cursos.
https://doi.org/10.21530/ci.v14n1.2019.867
PDF

Referências

ALMEIDA, Paulo.Roberto de. O estudo das relações internacionais do Brasil. Um diálogo entre a diplomacia e a academia. Brasília: LGE Editora, 2006.

BRASIL. Lei Federal n. 9131. Brasília: Congresso Nacional, 1995.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Brasília: Congresso Nacional, 2001a.

BRASIL. Lei Federal n. 10.260. Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior. Brasília: Presidência da República, 2001b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10260.htm (Acesso em: 10 out. 2018).

BRASIL. Lei Federal n. 10.172. Plano Nacional de Educação. Brasília: Congresso Nacional. 2001c. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L10172.pdf (Acesso em: 10 out. 2018).

BRASIL. Lei Federal n. 11.096. Programa Universidade para Todos (PROUNI). Brasília: Congresso Nacional, 2005.

BRASIL. Decreto nº 6.096. Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). Brasília: Congresso Nacional, 2007.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 95. Brasília: Congresso Nacional, 2016.

BRIGAGÃO, Clovis. Relações internacionais no Brasil: instituições, programas, cursos e redes. Rio de Janeiro: Gramma, 2004.

CARR, Edward. Vinte anos de crise: 1919-1939.Uma introdução ao estudo das Relações Internacionais . Brasilia: Editora Universidade de Brasília e Imprensa Oficial, 2001.

CERVO, Amado Luiz. “A historiografia brasileira das Relações Internacionais”. Revista Interamericana de Bibliografia, v. 42, n. 3, 1992, p. 393-409.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÂO (CNE). Diretrizes Curriculares Nacionais para Cursos de Gradação em Relações Internacionais. Brasília: INEP, 2016.

FERREIRA, Marcos Alan S. V. The rise of International Relations programs in the Brazilian Federal Universities: curriculum specificities and current challenges. Journal of Political Science Education, v. 12, n. 3, 2016, p. 241-255.

GONÇALVES, Williams. Relações internacionais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2002.

GOTTMANN, Jean. Center and periphery. Spatial Variations in Politics. London: Sage, 1980.

HERZ, Monica. “O crescimento da área de relações internacionais no Brasil”. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, 2000, p. 7-40.

JULIAO, Tais Sandrim. A graduação em RI no Brasil. Revista Monções, v. 1, n. 1, 2012, p. 13-48.

JULIAO, Taís Sandrim. ENADE 2009 e a avaliação da área de Relações Internacionais. Mundorama, v. 28, 2009, p. a-b.

LESSA, Antônio Carlos. O ensino das Relações Internacionais no Brasil. In: SARAIVA, José Sombra; CERVO, Amado Luiz (Eds.) O crescimento das relações internacionais no Brasil. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2005a, p. 33-50.

LESSA, Antônio Carlos. Os problemas recentes e as muitas virtudes do Mercado de trabalho para profissionais de Relações Internacionais no Brasil. Meridiano 47 – Journal of Global Studies, v. 6, n. 58, 2005b, p. 11-12.

MAIA, Marrielle. O fortalecimento do papel institucional do Conselho Nacional de Educação no processo de elaboração, aperfeiçoamento e acompanhamento das políticas públicas de educação básica e superior em todas as etapase modalidades de educação e ensino: Documento Técnico referente ao Produto 1 do Projeto CNE/UNESCO914/BRZ1042.3. Brasília: Ministério da Educação e Cultura e Unesco, 2017.

MAIA, Marrielle; FRANCO, Ana Maria de Paiva; NEDER, Henrique Dantas. O fortalecimento do papel institucional do Conselho Nacional de Educação no processo de elaboração, aperfeiçoamento e acompanhamento das políticas públicas de educação básica e superior em todas as etapas e modalidades de educação e ensino. Brasilia: Conselho Nacional de Educação, 2017.

MEC. Ministério da Educação e Cultura. Padrões de Qualidade para os Cursos de Relações Internacionais. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/padreli.pdf>. Acesso em: 10 out. 2018.

MEC. Ministério da Educação e Cultura. Resolução n. 4 de 4 de Outubro de 2017. Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2017.

MIYAMOTO, Shiguenoli. “O ensino das relações internacionais no Brasil: o estado da arte”.Revista de Sociologia Política, Curitiba, n.12, 1999, p. 83-98.

MIYAMOTO, Shiguenoli. “Ensino das Relações Internacionais do Brasil: problemas e perspectivas”.Revista de Sociologia Política, Curitiba, n. 20, 2003, p. 103-114.

RIBEIRO, Pedro Feliú; KATO, Mariana; RAINER, Gary. Mercado de trabalho e relações internacionais no Brasil: um estudo exploratório. Meridiano 47 – Journal of Global Studies, v. 14, n. 135, 2013, p. 10-18.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Novos conteúdos nas periferias urbanas nas cidades médias do Estado de São Paulo, Brasil. Revista Investigaciones Geográficas, Cidade do México, n. 54, 2004, p. 114-139.

VIZENTINI, Paulo Fagundes. “A evolução da produção intelectual e dos estudos acadêmicos de relações internacionais no Brasil”. In: SARAIVA, José Sombra; CERVO, Amado Luiz (Eds.) O crescimento das relações internacionais no Brasil. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2005, p. 17-35.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.