O agronegócio brasileiro e as negociações Mercosul-União Europeia

  • Roberta Rodrigues Marques da Silva Universidade Federal Fluminense
  • Ricardo Dias da Silva Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Fernanda Ramos Ferreira Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Resumo

Este artigo objetiva analisar as negociações entre Mercosul e União Europeia, especialmente no que diz respeito à posição brasileira nas tratativas conduzidas durante os governos Dilma Rousseff e Michel Temer, enfatizando a coordenação do agronegócio em torno da agenda de discussão. Observamos que as negociações entre os dois blocos permaneceram como prioridade da política externa brasileira, a despeito das diferenças programáticas fundamentais entre os dois governos. Para explicar a permanência das negociações, além do impasse em torno do fechamento do acordo, argumentamos que a mudança estrutural na economia brasileira, marcada pela desindustrialização progressiva e pela reprimarizaçãoda pauta exportadora, lado a lado à maior capacidade de coordenação da ação coletiva do agronegócio, produziram impactos na formatação dos interesses brasileiros durante as negociações. Buscamos trazer evidências para corroborar nossa hipótese, analisando as tratativas no período recente. Observamos que itens caros à indústria foram flexibilizados, ao passo que foi mantida a defesa de maior acesso aos mercados agropecuários europeus, item considerado inegociável pela UE.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
28-11-2019
Como Citar
Rodrigues Marques da Silva, R., Dias da Silva, R., & Ramos Ferreira, F. (2019). O agronegócio brasileiro e as negociações Mercosul-União Europeia. Carta Internacional, 14(3). https://doi.org/10.21530/ci.v14n3.2019.940