Parceria China e Rússia

bases reais para superar desconfiança histórica

  • Giorgio Schutte
  • Victor Sant'Anna Debone UFABC

Resumo

Na década de 1990, após o fim da União Soviética, a Rússia parecia estar condenada a um papel marginal e subordinado no sistema internacional. De outro lado, a China parecia ter conectado suas aspirações para o desenvolvimento, em parceria com os EUA. Dessa forma, uma aproximação entre Beijing e Moscou era considerada pouco provável. Isso mudou drasticamente a partir da primeira década de 2000 e, na segunda década, consolidou-se uma nova realidade na Eurásia. Trata-se de um processo a respeito do qual há divergência na literatura. De um lado, enfatiza-se o novo caráter estratégico dessa parceria e, de outro,valorizam-se suas contradições e fragilidades. A tese defendida neste artigo é a de que, para a compreensão da dimensão da relação China-Rússia, é preciso reconhecer a simultaneidade de novas visões entre as lideranças chinesas e russas, não somente a respeito do cenário internacional mas, sobretudo, acerca de suas aspirações para garantir o desenvolvimento de forma soberana. Serão analisados os principais componentes da parceria entre os dois países: as relações econômicas; a aproximação militar; a Organização para Cooperação de Xangai (SCO); a Iniciativa Cinturão e Rota (BRI); a coordenação no Conselho de Segurança da ONU, e a diplomacia presidencial Putin-Xi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Sant'Anna Debone , UFABC
Bacharel em Relações Internacionais e em Ciências e & Humanidades pela Universidade Federal do ABC (UFABC). Foi bolsista de Iniciação Científico pelo CNPq e da  Fapesp
Publicado
03-08-2020
Como Citar
Schutte, G., & Sant’Anna Debone , V. (2020). Parceria China e Rússia. Carta Internacional, 15(2). https://doi.org/10.21530/ci.v15n2.2020.991