Silêncio atômico: política, violência, exceção após Hiroshima e Nagasaki

  • Izadora Zubek Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (IRI/PUC-Rio).
Palavras-chave: Armas Nucleares, Política, Violência, Exceção, Teoria Crítica, Hibakusha, Silêncio

Resumo

O artigo analisa as consequências políticas de Hiroshima e Nagasaki. O ponto de partida é o pensamento de Hannah Arendt. A autora afirma que a violência silencia a política, caracterizada pelo diálogo. A metáfora do silêncio se torna o fio condutor de uma reflexão sobre o significado das armas nucleares na política mundial. Os discursos dominantes sobre a bomba atômica são examinados e criticados. O artigo ilumina os efeitos produtivos da bomba e tenta resgatar a “fala” dos escombros nucleares. As histórias dos sobreviventes contribuem para a formação de uma perspectiva crítica que desestabiliza os limites temporais da violência bélica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Izadora Zubek, Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (IRI/PUC-Rio).
Mestranda em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (IRI/PUC-Rio). Graduada em Ciências Políticas e Sociais pela Université Paris II Panthéon-Assas. Bolsista Nota 10 da FAPERJ. Conduziu pesquisa em Hiroshima, onde encontrou sobreviventes do bombardeio atômico e presenciou as comemorações de aniversário, em agosto de 2015. E-mail: izadora.zubek@gmail.com
Publicado
15-04-2015
Como Citar
Zubek, I. (2015). Silêncio atômico: política, violência, exceção após Hiroshima e Nagasaki. Carta Internacional, 10(1), 65-82. https://doi.org/10.21530/ci.v10n1.2015.174
Seção
Artigos