Pan-africanismo e relações internacionais: uma herança (quase) esquecida

  • Muryatan Santana Barbosa Universidade Federal do ABC

Resumo

Este artigo traz uma análise de alguns conceitos centrais da herança Pan-africanista, visando torná-la mais conhecida ao campo de Relações Internacionais no Brasil. Em particular, a Teoria das Relações Internacionais. Ele é dividido em duas partes. Inicialmente, faz-se uma definição e uma breve contextualização desta herança. Para isto, se revisita suas origens e, mais importante, seu período de consagração Pós-Segunda Guerra Mundial, quando ela foi repensada por uma geração consagrada de intelectuais africanos e caribenhos. Na segunda parte do texto, busca-se referendar a tese primordial deste ensaio. Ela defende que, para além da diversidade de contribuições específicas que tais autores/ativistas trouxeram para uma compreensão menos eurocêntrica do mundo e, portanto, das relações internacionais, existe também um núcleo central que pode ser visto como uma característica original do Pan-africanismo. Este núcleo é formado por quatro ideias primordiais, que aparecem ali de forma inter-relacionada: a) personalidade; b) solidariedade; c) libertaçã; d) integração. A partir desta análise, defende-se que, embora o Pan-africanismo tenha suas especificidades teóricas, sua própria história e contextualização, ele também possui uma contribuição universal que precisa ser melhor estudada, pois é parte integrante e atual das lutas dos povos do Sul por sua auto-afirmação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
30-04-2016
Como Citar
Santana Barbosa, M. (2016). Pan-africanismo e relações internacionais: uma herança (quase) esquecida. Carta Internacional, 11(1), 144-162. https://doi.org/10.21530/ci.v11n1.2016.347
Seção
Artigos