Comunidades epistêmicas e de prática em Defesa na Argentina e no Brasil: entre a organicidade e a plasticidade

  • Samuel Alves Soares Universidade Estadual Paulista - UNESP
  • Marina Gisela Vitelli
Palavras-chave: Argentina, Brasil, Defesa, comunidades epistêmicas, comunidades de prática

Resumo

Amparado em uma discussão conceitual sobre comunidades epistêmicas e sobre comunidades de prática, é objetivo do texto tratar de analisar a condução política das questões militares e de Defesa na Argentina e no Brasil. Comunidades epistêmicas referem-se grupos de pessoas com conhecimento socialmente legitimado que atuam junto a Estados para produzir políticas, enquanto as comunidades de prática aludem aos saberes e fazeres orientados, em última instância, para a busca de transformações nas estruturas sociais. Apresentados e desenvolvidos os conceitos, voltamo-nos para os casos em tela, discorrendo sobre cada um deles, para então indicar as diferenças de posturas nos dois países. Enquanto na Argentina formou-se uma comunidade epistêmica que influiu sobre os contornos fundamentais da política de defesa no retorno da democracia, no Brasil não surgiu um ator semelhante, ainda que se argumente o surgimento de uma comunidade de prática, uma proto-comunidade epistêmica. Ainda que dissonantes, os dois países vêm produzindo ações e visões compartilhadas que fortalecem mecanismos de cooperação na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samuel Alves Soares, Universidade Estadual Paulista - UNESP
Pós-doutorado em Relações Internacionais pela Georgetown University, Washington, EUA e no Instituto Gutierrez Mellado, Madrid, Espanha. Doutorado e mestrado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela mesma universidade. Professor Livre-Docente da Universidade Estadual Paulista - UNESP -, professor do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (UNESP,UNICAMP, PUC-SP) do qual é coordenador, pela UNESP, e do Programa de Pós-Graduação em História da UNESP e do curso de Relações Internacionais da mesma instituição. Pesquisador do Grupo de Estudos em Defesa e Segurança Internacional (GEDES/UNESP). Coordenador do Grupo de Elaboração de Cenários Prospectivos da UNESP. Foi presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) no biênio 2010-2012. É membro de várias associações acadêmicas, como a Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED), da Associação Brasileira de Relações internacionais (ABRI), da International Studies Association (ISA), da Latin American Studies Association (LASA), da Brazilian Studies Association (BRASA), da Associación Latinoamericana de Ciência Política (ALACIP). Atua na área de Relações Internacionais, com ênfase em Defesa e Segurança Internacional, Integração Internacional, Conflito, Guerra e Paz e relações civis-militares. É autor de “Forças Armadas e Sistema Político na Democracia” e organizador de “Novas Ameaças: dimensões e perspectivas” e “Forças Armadas, Defesa e Segurança Internacional”. Bolsista de Produtividade 2 pelo CNPq.

Referências

ADLER, Emanuel. The Emergence of Cooperation: National Epistemic Communities and the International. International Organization, v. 46, n. 1, 1992, p.101-45. Disponível em http://www.jstor.org/stable/2706953

———. 2008. The Spread of Security Communities: Communities of Practice, Self-Restraint, an NATO’s Post Cold War Transformation. European Journal of International Relations, v. 14, n. 2, p. 195–230. Disponível em http://ejt.sagepub.com/content/14/2/195

ALSINA Jr, João Paulo Soares. Síntese Imperfeita. Articulação Entre Política Externa E Política de Defesa Na Era Cardoso. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 46, n. 2, 2003, p. 68–77. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292003000200003&lng=en&nrm=iso

ANTONIADES, Andreas. Epistemic Communities, Epistemes and the Construction of (World) Politics. Global Society, v. 17, n. 1, 2003, p. 21-38. Disponível em www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/0953732032000053980

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. Dados, Revista de Ciências Sociais, v. 48, n. 2, 2005, p. 231-69. Disponível em www.scielo.br/pdf/dados/v48n2/a01v48n2.pdf

COLLIER, David. Understanding Process Tracing. Political Science & Politics v. 44, n. 4, 2011, p. 823–830. Disponível em http://journals.cambridge.org/action/displayAbstract?fromPage=online&aid=8407185&fileId=S1049096511001429

DAVIS CROSS, Mai’a K. Rethinking epistemic communities twenty years later. Review of International Studies, v. 39, n. 1, 2013, p. 137-60.

DIAMINT, Rut. La historia sin fin, el control civil de los militares en Argentina. Nueva Sociedad, n. 213, 2008, p. 95-111. Disponível em http://nuso.org/articulo/el-control-civil-de-los-militares-en-argentina/

HAAS, Ernst B. Scientists and World Order: The Uses of Technical Knowledge in International Organizations, Berkeley: University of California Press, 1978.

HAAS, Peter M. Introduction: Epistemic Communities and International Policy Coordination. International Organization, v. 46, n. 1, 1992, p. 1-35. Disponível em http://www.jstor.org/stable/2706951

KECK, Margaret e SIKKINK, Kathryn. Transnational advocacy networks in international and regional politics. International Social Science Journal, v.51, n. 159, 1999, p. 89-111.

LALEFF ILIEFF, Ricardo. Los consensos legislativos sobre las Fuerzas Armadas en la democracia Argentina. Orbis. Revista Científica Ciencias Humanas, vol. 7 n. 21, 2012, p. 20-37. Disponível em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=70923429003

MIGUENS, José Enrique, Gustavo DRUETTA, e Luis TIBILETTI. La reubicación de las FF.AA. en la sociedad democrática. En AAVV, Por 100 años de democracia. Buenos Aires: Eudeba, p. 215-34, 1994.

OLIVEIRA, Eliézer Rizzo de. As Forças Armadas: Política E Ideología No Brasil: 1964-1969. Petrópolis: Vozes, 1976

POCZYNOK, Iván. Caminos cruzados. Un estado de la cuestión sobre las agendas política y académica de la defensa en Argentina 1983-2003. Militares e Política, n. 9, 2011, p. 24-51. Disponível em www.lemp.historia.ufrj.br/revista/Caminos_cruzados.pdf

RUGGIE, John Gerard. 1975. International Responses to Technology: Concepts and Trends. International Organization, v. 29, n. 3, 1975, p- 557-83. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742010000200002

SAÍN, Marcelo. Los votos y las botas. Estudios sobre la defensa nacional y las relaciones civil-militares en la democracia argentina. Buenos Aires: Prometeo, 2010.

SAINT-PIERRE, Héctor Luis. A política de defesa e política externa: coerência ou desencontros? In VARGAS, Alejo, Seguridad en Democracia. Un reto a la violencia en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2010. p. 203–226.

SCHMITT, Carl. O Conceito de político. Petrópolis: Vozes, 1992.

SOARES, Samuel Alves, e Germán SOPRANO. Políticas de Defesa de Argentina e Brasil no Começo do Século XXI: entre a Confiança Mútua e as Culturas Estratégicas em Dissonância. In PASOS, Rodrigo Duarte Fernandes dos, VIEIRA, Noemi Ramos, y SIMONETTI, Miriam Cláudia Lourençao. (Orgs). Relações Internacionais Contemporâneas: novos protagonistas e novas conjunturas, 1ed. Marília: Cultura Acadêmica Editora, 2014. v. 1, p. 187-209.

SOARES, Samuel Alves. A construção da democracia e traços da mentalidade política militar (1985-1993). Teoria & Pesquisa, n. 46, 2005, p. 49-81. Disponível em http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/86

SOPRANO, Germán. Debates legislativos y leyes sobre la defensa nacional y las FFAA. Un análisis comparado en tres períodos de la historia política argentina: 1895-1916, 1946-1955 y 1983-2001. En VII Jornadas de Sociología de la Universidad Nacional de La Plata, La Plata, dezembro de 2012a.

———. 2012b. La definición de una agenda de defensa para la democracia en Argentina. Trayectorias individuales y experiencias colectivas de políticos, militares y expertos civiles en el seminario y la revista Seguridad Estratégica Regional en el 2000. In CANCINO, Hugo et al. (Editores), Miradas desde la Historia social y la Historia intelectual. América Latina en sus culturas: de los procesos independistas a la globalización. Centro de Estudios Históricos Prof. Carlos S.A. Segreti; Facultad de Filosofía y Humanidades, Universidad Católica de Córdoba; Universidad Veracruzana, México. Instituto de Investigaciones Histórico-Sociales, 2012b.

———. 2013. Entre el Congreso y el ministerio. Análisis de las relaciones entre diputados y senadores nacionales, asesores legislativos, académicos y funcionarios civiles y militares en el proceso de definición de la política de defensa y militar en la argentina (1983-2001). En IV Jornadas de Historia Política. Universidad de la República, Montevideo, julho de 2013.

WENGER, Etienne. Communities of Practice. Learning, Meaning, and Identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

WINAND, Érica Cristina Alexandre e SAINT-PIERRE, Héctor Luis. A fragilidade da condução política da defesa no Brasil. História, v. 29, n. 2, dezembro de 2010, p. 3-29. Disponível em

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742010000200002

Publicado
30-12-2016
Como Citar
Soares, S. A., & Vitelli, M. G. (2016). Comunidades epistêmicas e de prática em Defesa na Argentina e no Brasil: entre a organicidade e a plasticidade. Carta Internacional, 11(3), 99 - 123. https://doi.org/10.21530/ci.v11n3.2016.510
Seção
Artigos