Imperialismo e Luteranismo: o embate entre missionários alemães e americanos pelas comunidades luteranas no Brasil (1899-1938)

  • Wilson Maske Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC PR)
Palavras-chave: luteranismo, imperialismo, identidade étnica, identidade religiosa, religião e relações internacionais

Resumo

O objetivo do presente artigo é apresentar os resultados de um estudo sobre um confronto, ocorrido no período de 1899 a 1938, entre dois grupos de missionários luteranos atuantes no Brasil, um alemão, ligado à Igreja Evangélica da Prússia, muito nacionalista, e outro, americano, ligado à Igreja Luterana – Sínodo de Missouri, e que atuava no Sul do Brasil. Além disso, o Sínodo de Missouri era relativamente indiferente às questões étnicas, tão presentes no discurso político nas primeiras décadas do século XX, pois as considerava uma questão do Estado ou de outras instituições, mas não tarefa de igrejas. O confronto referido, refletiu não apenas visões teológico-dogmáticas distintas dentro do luteranismo, mas também se relacionava com a questão da identidade étnica germânica e da preservação da língua alemã (defendida por pastores alemães) e a adoção do português e a integração dos imigrantes alemães na sociedade brasileira, defendidos por um e outro grupo. O embate estudado foi também uma reverberação da crescente hegemonia do imperialismo americano sobre a América do Sul, decidida a eliminar possíveis focos de influência alemã no continente durante o período relacionado com as duas guerras mundiais As fontes utilizadas para a elaboração do estudo são documentos eclesiásticos do período, jornais, boletins, literatura evangelística, atas, assim como fontes secundárias relacionadas com luteranismo, imigração e política internacional no período estudado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Maske, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC PR)
Doutor em História pela Universidade Federal do Paraná (2004). Atualmente é professor do Departamento de História da PontifíciaUniversidade Católica do Paraná. Atua na área de docência e pesquisa em História Contemporânea, principalmente nos seguintestemas: protestantismo, imigração, imperialismo, política internacional e política externa do Brasil. Atualmente desenvolve um projetode pesquisa concentrado na questão das relações entre Brasil e Alemanha Imperial, no período de 1871-1918, com especial foco noimperialismo alemão e na imigração alemã para o Brasil. É coordenador da Especialização em História Contemporânea e RelaçõesInternacionais – PUCPR

Referências

CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. 2011. História da política exterior do Brasil. Brasília: Universidade de Brasília.

DREHER, Martin Norberto. 1984. Igreja e Germanidade: estudo crítico da história da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. São Leopoldo: Sinodal/EST/EDUCS.

_____. A Igreja Latino-Americana no Contexto Mundial. 1999. São Leopoldo: Sinodal.

GERTZ, René. 1991. O perigo alemão. Porto Alegre: UFRGS.

GIRALDI, Luiz Antonio. 2012 A Bíblia no Brasil Império – Como um livro proibido durante o Brasil Colônia tornou-se uma das obras mais lidas nos tempos do Império. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil.

HAUCK, João Fagundes. 2008. História da Igreja no Brasil – Segunda Época – Século XIX. Petrópolis: Vozes.

LISBOA, Karen Macknow. 2011. Mundo novo, mesmo mundo: viajantes de língua alemã no Brasil (1893-1942). São Paulo: Hucitec-Fapesp.

LUTHERISCHE KIRCHE IN BRASILIEN. 1955. Festschrift zum 50. jährigen Bestehen der lutherischen Synode am 9. Oktober 1955. Joinville/São Leopoldo: Rotermund.

MAGALHÃES, Marionilde Brepohl de. 1998. Pangermanismo e nazismo, a trajetória alemã rumo ao Brasil. Campinas: Unicamp-Fapesp.

MARLOW, Sérgio Luiz. 2002. Nacionalismo e Igreja: o Estado Novo e a Igreja Luterana “Sínodo de Missouri”. In: IV Encontro Regional de História, 2002, Vitória - ES. IV Encontro Regional de História - ANPUH-ES.

MASKE, Wilson. 2004. Entre a Suástica e a Cruz: a fé menonita e a tentação totalitária no Paraguai. Curitiba: Tese de Doutorado, UFPR.

PRESTON, Andrew. 2012. Sword of the Spirit, Shield of Faith: Religion in American War and Diplomacy. Nova York: Alfred A. Knopf.

PRIEN, Hans-Jürgen. 2001. Formação da Igreja Evangélica no Brasil: das comunidades teuto-evangélicas de imigrantes até a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. São Leopoldo : Petrópolis: Sinodal : Vozes.

REHFELDT, Mário L. 1962. The first fifty years of the history of the Igreja Evangélica Luterana do Brasil. Saint Louis, Missouri: Concordia Seminary Press.

REILY, Duncan A. 1984. História Documental do Protestantismo no Brasil. São Paulo: ASTE.

RENOUVIN, Pierre; DUROSELLE, Jean-Baptiste. 1967. Introdução à História das Relações Internacionais. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

SIRIANI, Silvia Cristina Lambert. 2003. Uma São Paulo alemã: vida cotidiana dos imigrantes germânicos na região da capital (1827-1889). São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

VERBAND DEUTSCHER VEREINE. 1999. Cem Anos de Germanidade no Rio Grande do Sul – 1824-1924. São Leopoldo: Unisinos.

Publicado
01-07-2013
Como Citar
Maske, W. (2013). Imperialismo e Luteranismo: o embate entre missionários alemães e americanos pelas comunidades luteranas no Brasil (1899-1938). Carta Internacional, 8(2), 157-170. Recuperado de https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/89
Seção
Artigos